SEF: Faltam 128 inspetores no quadro

O Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF/SEF) alertou hoje para a "grave situação do quadro de pessoal" deste serviço de segurança, avançando que faltam, pelo menos, 128 inspetores.

O presidente do sindicato, Acácio Pereira, disse à agência Lusa que o mapa de pessoal assinado em setembro do ano passado pelo secretário de Estado da Administração Interna refere que o SEF é composto por 932 inspetores.

O sindicalista adianta que tal quadro já está "desatualizado e descontextualizado para as missões e atribuições que caem no âmbito de atuação do SEF".

Porém e tendo por base o atual mapa de pessoal, "faltam 128 elementos no quadro de inspetores do SEF", uma vez que atualmente estão em funções 795, sustentou.

Acácio Pereira sublinhou que estão ainda previstos sair para aposentação cerca de sete por cento dos inspetores até 2014, relembrando que se encontra suspenso o concurso para admissão de novos elementos, aberto em 2008.

Nesse sentido, o sindicato contesta as declarações, feitas na terça-feira, pelo diretor do SEF, Manuel Jarmela Palos, que afirmou que este serviço de segurança tem menos 40 inspetores do que o quadro previsto e que está a decorrer um concurso para 32 vagas.

"Dizer que no quadro de inspetores do SEF faltam 40 elementos, quando não se verifica entrada de pessoal nesta carreira desde 2004, é no mínimo não atender ao esforço que estes elementos policiais têm abnegadamente desenvolvido em prol da segurança nacional e da boa regulação da imigração em Portugal e na União Europeia. A verdade inquestionável é que faltam 128 elementos no quadro de Inspetores do SEF", refere o sindicato, numa nota enviada à Lusa.

O sindicato apela ainda ao Governo para que adapte ao SEF a mesma regra aplicada às outras forças de segurança, para a entrada de novos elementos para o quadro.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".