"Se tivéssemos criado uma cerveja Porto nunca mais chegávamos a Lisboa"

Almoço com Tiago Talone, cofundador da Fábrica de Cervejas Portuense

Se fizéssemos este almoço um mês mais tarde, talvez o encontro já acontecesse em casa de Tiago Talone e Pedro Mota. Digo, no restaurante que em breve vai abrir - "em soft opening", frisa o meu convidado -, num espaço de dois pisos integrado na Fábrica de Cervejas Portuense, permitindo almoçar ou jantar com vista para o processo de produção de uma cerveja lançada em abril sob a assinatura Genuinamente melhor! "A regionalidade é a nossa imagem e decidimos usar as características que reconhecemos nas pessoas do Norte: apesar de humildes somos sempre os maiores, somos ótimas pessoas mas temos aquela humilde arrogância. E a assinatura traz essa imagem à cerveja: acabámos de aparecer mas temos mais qualidade, somos melhores, mais inovadores." Quem o lê aqui pode pensar que há uma certa gabarolice associada, mas a bem de um retrato fiel há que explicar que Tiago Talone é um jovem empresário simples de trato, cheio de garra e sim entusiasmado, justamente, com o projeto pelo qual decidiu deixar tudo e mudar de vida. Não foi uma transformação radical, é certo, já que trabalhava no setor cervejeiro, mas ainda assim foi um salto de grande risco. Lá iremos.

Dizia eu que podíamos ter-nos juntado ali mesmo ao lado, na fábrica, mas um atraso valente nas obras que tem provocado alguns ataques de nervos a Tiago e ao sócio e amigo Pedro Mota não o permitiu. Ficámos pelo mais do que tradicional Abadia, um símbolo do Porto e quase sala de reunião da família Talone quando se junta na cidade, colado às paredes da cervejaria de onde sai a Nortada que ali à mesa já é recomendação da casa. E como Tiago é conhecido de sempre, tem ali tratamento especial: mal nos sentamos, já nos espera um belo cesto de pão e broa, manteiga, azeitonas temperadas e coisas boas para forrar o estômago. Para beber, já se sabe o que vai ser... falta apenas definir qual das Nortadas vem para a mesa primeiro - uma escolha que Tiago Talone faz rapidamente. Venha a Porto Lager, estrela da seleção e que até se apresenta em formato generoso (75 cl). "Temos em garrafas de 33 cl e de pressão, mas quisemos ter também esta opção. É a cerveja principal da nossa fábrica e já faz 70% das vendas - as outras são mais experimentalistas."

É inevitável que repare de imediato no rótulo da marca, usando cores bem fora dos habituais vermelho e preto. A disrupção é intencional e tem o dedo do Tiago. Esta veste-se de azulão e amarelo-torrado, entre o mar do Norte e o sol que puxa mais uma bem fresca, e o nome está também intimamente ligado aos ventos que varrem a costa portuguesa - impresso na própria alma de um velejador convicto e empreendedor consciente e com sentido prático. "Nós nascemos para trazer uma oferta diferente aqui - lá fora há uma cultura cervejeira muito mais vasta e variada, em três níveis: as gigantes, que aqui têm mais de 90% do mercado, as regionais, a gaveta em que nos encaixamos, e microcervejeiras. Criámos uma cerveja regional e queríamos ter aquela identificação forte imediata, mas se lhe chamássemos Porto nunca mais chegávamos a Lisboa", ri-se. "E Nortada também é foneticamente simples independentemente da língua que fale quem a pedir."

Ainda teremos tempo para provar uma India Pale, mas por agora dedicamo-nos à Lager, cujo amargor e corpo encaixam na perfeição com o presunto que entretanto se juntou à conversa. Tiago conta-me que tudo começou com uma ideiazinha. Ele e Pedro, ambos ligados ao setor cervejeiro, pensaram lançar um negócio e se o mar os atraía - Tiago faz vela desde pequenino, Pedro caça submarina -, a verdade é que não encontravam aí inspiração viável. Conta que até teria seguido essa carreira - "lembro-me de faltar às aulas às escondidas para ir velejar e acho que ainda sou o velejador mais novo a apurar-se numa prova internacional, em classe Optimist, com 7 anos" - mas entendeu que era uma vida difícil e sem grandes perspetivas de lhe garantir um futuro. Mas ainda veleja sempre que pode - "e quando não tenho tempo para tanto, dou um saltinho à praia e faço kitesurf".

Passados por Londres e outras cidades europeias com uma cultura cervejeira muito mais expressiva do que a de Portugal - "eu sempre gostei muito de cerveja e lembro-me de ir a restaurantes com o meu avô e se não havia Super Bock íamos embora. Era aquela rivalidade com a Sagres, os dois gigantes. E sempre tive muitas conversas com ele, tive pena de que não tivesse chegado a conhecer a nossa" -, lembraram-se então de lançar a sua marca. Fizeram planos de negócios, falaram com potenciais investidores - são hoje 13 pessoas e entidades que compõem o corpo acionista, incluindo o tio de Tiago e ex-CEO da EDP, João Talone, o diretor-geral da Hilti Portugal, António Raab, o suíço Patrick de Saab e António Botelho Moniz - e atiraram-se ao trabalho.

Claro que nada disto foi fácil. Da primeira ideia, em 2012, estava Tiago ainda na Unicer - onde entrara como estagiário aos 22 anos, depois de terminar o curso de Gestão de Marketing, e de onde viria a sair nove anos mais tarde para este projeto -, ao lançamento, em abril deste ano, deram grandes passos. "Éramos dois miúdos, levámos o projeto a várias pessoas e fizemo-las acreditar. Foi quase uma missão impossível."

Antes de avançar, Tiago fez questão de explicar ao avô (das mãos de quem nasceu a Super Bock, a partir de uma fábrica comprada em Esmoriz) e ao presidente da Unicer, João Abecasis, o que queria fazer - e que "nem era propriamente concorrência, porque é uma oferta diferente, além do que nós produzimos um máximo de dois milhões de litros por ano enquanto a Unicer faz 400 milhões". Acertaram a saída e nesse momento o jovem empresário saía definitivamente da sua zona de conforto. "Estive dois anos desempregado, a saber que tinha contas para pagar e um investimento superior a três milhões de euros pela frente - sendo uma indústria, aqui o investimento é feito à cabeça. Enquanto projetava o negócio, como queríamos fazer uma cerveja com muito mais qualidade do que as que existem no mercado português, vender o projeto, encontrar financiadores, durante todo esse tempo senti aquele murro no estômago." Para reduzir despesas, voltou para casa dos pais e fazia uma vida quase espartana que quase ninguém entendia porque Tiago não queria contar nada sobre o seu projeto até confirmar que este tinha pernas para andar - ao ponto de irritar a namorada, médica, "que com uma paciência infinita acompanhou todo este processo" Nessa altura, tinha 30 anos. "Foram tempos duros - estar desempregado, não saber o dia de amanhã... tinha juntado algum dinheiro, mas quanto mais tempo passasse menos tinha -, mas foi giro, porque foi um processo de aprendizagem brutal."

Ultrapassadas as fragilidades iniciais, como a falta de um plano de estrutura acionista que protegesse o controlo dos criadores da ideia mas também os investidores de capital, com um plano estruturado e a operação montada na cabeça, Tiago e Pedro fizeram um evento para captar os investidores. "Nesse dia conseguimos 70% do capital. Juntámo-los na zona industrial do Porto, num ambiente que simulava a futura fábrica, no topo de um edifício, trouxemos cervejas internacionais que eram as referências do que queríamos fazer e correu muito bem." Então começou outro desafio: construir e enfim produzir. E pôr a sua marca à prova - deles próprios, dos acionistas e do público.

Já com o polvo à lagareiro à frente - a cumprir à letra a promessa de que se cortava até com a colher de tão tenro -, bem regado e acompanhado de batatas a murro, diz-me que um dos momentos mais gratificantes foi a assinatura do aumento de capital, em que finalmente as coisas corriam sobre rodas e ele voltava a ter um salário. Tem no entanto, ainda hoje, bem presente que "ser empreendedor é deitar-me sem saber como vou chegar ao fim do dia amanhã: temos 30 pessoas connosco, tenho de lhes pagar salários. É difícil, mas dá-me imenso prazer. Tivemos momentos duros mas nunca perdi a esperança."

Entramos no coração da fábrica, importado da Alemanha "do melhor fabricante do mundo" que se espantou com a qualidade das cubas de aço inox compradas em Oliveira de Azeméis - "ficaram tão impressionados que até me pediram o contacto". "Esta fábrica alemã é quase como uma empresa familiar e no dia em que assinámos acordo com eles passámos a fazer parte dessa família, o que significava podermos usar as fábricas do grupo para testar a nossa cerveja. Foi lá que fizemos a primeira produção, para provar. Foi outro momento espetacular! Chegaram 1500 litros, eu levei uma grade para casa do Pedro, onde jantámos com a minha namorada e a mulher dele, e abrimos a primeira caixa. Nunca esquecerei aquela sensação de abrir a garrafa e dar o primeiro gole."

A primeira prova estava feita e passada. Mas convenceria os acionistas tão facilmente quanto os criadores? O contexto certo era fundamental, por isso organizaram um jantar preparado por um potencial chef do restaurante que queriam integrar na fábrica e criaram o ambiente que imaginavam perfeito para acolher a sua Nortada. "Foi lindo ver a cara das pessoas a provar. A partir daí lançámos a nossa marca e as coisas andaram." Ainda com alguns percalços, como a necessidade de acertar os timings da máquina de engarrafamento, que têm de ser milimétricos, ou reverter o processo de enchimento das garrafas que, como estava originalmente montado, fazia os rótulos descolarem-se quando o líquido entrava. "Foram 15 dias a trabalhar dia e noite, uma prova de equipa espetacular, cheguei a entrar a aqui numa sexta-feira às 7.30 e sair às 20.00 de sábado. E, mesmo antes de entrarmos no mercado, lembro-me de estar na cave a olhar para as grades todas e a pensar: como é que descalçamos esta bota?"

A garrafa que acompanhou a entrada no polvo e na conversa já secou. É tempo de experimentarmos outra opção de Nortada, que os empregados da Abadia apregoam como se fosse da casa. Vem a Massarelos India Pale Ale - todos os rótulos têm nomes dali, da Vienna Lager (Bonfim) à Brown Porter (Miragaia) ou à Imperial Stout (Campanhã) - com a explicação de como surgiu aquele tipo de cerveja: da necessidade de adicionar mais lúpulo, que confere o amargor mas também é um conservante natural, para garantir que a cerveja chegava à Índia colonial em boas condições. Um feliz acaso, digo eu que sou adepta do género, muito apreciado em Londres.

Tiago vai-me explicando que o restaurante da Fábrica Portuense, ali mesmo no centro, entre o Bolhão e o Majestic, "é outro negócio, mas é a principal ferramenta de comunicação da nossa marca. Temos imensa capacidade para casar cozinha e cerveja e fazer menus com a nossa mestre cervejeira" - Diana Canas, de 26 anos, a única mulher nesta categoria, enviada à melhor escola alemã para fazer o curso - e a chef que acabaram por contratar, que tem uma larga experiência mas cujo nome ainda não pode ser revelado. Vinca o projeto de proximidade e de assinatura do Porto que ali quer fazer nascer, razão pela qual quer ter a porta aberta para melhor se entrosar com os clientes: "Quero abrir o restaurante às 10.00 e nem importa se é rentável, porque o que quero é que as pessoas se sintam bem, queiram conhecer e voltem; até podem acabar por beber a nossa cerveja porque estiveram ali e gostaram". Essa proximidade, que existe também na relação com os cafés, bares e restaurantes onde há Nortada - "se um cliente ligar à meia-noite, tenho de o desenrascar" -, impede um alargamento massivo, mas há um projeto para estar em todo o Grande Porto e através de parcerias com grandes cadeias como o El Corte Inglés consegue estar em pontos selecionados do país.

Já com o polvo desaparecido e a Pale Ale bem saboreada, não há espaço para acomodar sobremesa, por isso saltamos diretamente para o café e para o lado mais familiar da vida de Tiago. Diz-me que agora que tudo anda sobre rodas, os seus projetos "são os da empresa". E depois ganhar alguma estabilidade familiar, até porque quer dar primos aos cinco sobrinhos que já tem. "Passaram cinco anos desde que tudo isto começou, a minha namorada, que estava a estudar Medicina, hoje está a trabalhar no S. João e na minha família, que é muito tradicional e católica, eu sou o único entre dois irmãos mais velhos e um mais novo que ainda não se casou. A verdade é que sempre fui o mais diferente em tudo... os meus pais são engenheiros civis, os meus irmãos também, exceto um que é engenheiro do ambiente, mas eu decidi ir para a área de economia."

Na determinação e foco não há dúvida de que é um Talone. "Projetos para o futuro? Vamos sempre pensar em andar e crescer."

Abadia

Couvert

Presunto de porco ibérico

Polvo à lagareiro

Água

Porto Lager

Nortada

Cafés

Total: 56,8 euros

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."