"Se calhar teremos de olhar para a forma como são construídas as estatísticas"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares admite não ter explicações para o facto de o desemprego estar a diminuir sem que a economia cresça.

Há alguns economistas que estão um pouco perplexos com um fenómeno que se verifica que é a diminuição do desemprego mas com um crescimento muito baixo da economia. Qual é a sua explicação para este fenómeno?

Este é um fenómeno novo, porque nós conhecíamos o jobless growth, crescimento sem criação de emprego. Hoje temos uma situação que provavelmente só aparentemente é que é a criação de emprego com pouco crescimento. Se calhar teremos de olhar para a forma como são construídas as estatísticas. Verdadeiramente temos uma criação de emprego muito relevante, com a redução daqueles trabalhadores que frequentavam programas ocupacionais e estamos a falar de uma redução brutal dos empregados ocupacionais que contavam nas estatísticas e que foi a forma que o governo anterior encontrou para reduzir o desemprego. Temos uma diminuição de desemprego muito significativa e uma criação de emprego muito relevante e portanto eu não lhe consigo dizer, muito sinceramente, qual é a, como é que elas se compatibilizam. A verdade é que o objetivo principal de qualquer política económica é criação de emprego e estamos a ter muito sucesso.

Faz sentido nesta altura pensar-se em eventuais alterações à forma como o PIB é calculado?

É uma questão demasiado técnica para fazer sentido da minha parte entrar nela. Verdadeiramente, o que interessa ao Governo e aos portugueses na realidade é sabermos se o emprego está a ser criado. E o emprego está a ser criado. Quando olhamos para o emprego em Agosto deste ano e comparamos com o Agosto do ano passado ele está a crescer a 2%, o que é de facto muito relevante e é uma vitória para os portugueses.

Mas falou numa necessidade de se repensar a maneira como se fazem as estatísticas. Importava-se de elaborar um pouco? Qual é a estatística de que fala? Do emprego ou do PIB? É possível a economia estar a crescer mas a estatística não o refletir?

É, como eu dizia, uma discussão técnica, iminentemente técnica, que pode ser tida. Agora, verdadeiramente a criação de emprego está a acontecer de facto. As contribuições para a Segurança Social estão a aumentar de facto, é inquestionável. Podemos estar a recuperar capacidade que estava já instalada. É um debate que não ganharíamos nada em ter nesta entrevista porque estaríamos provavelmente a cometer muitos erros.

O debate na generalidade do OE 2017 revelou uma aparente evolução da posição governamental na questão da dívida pública. Existem ou não existem conversas com Bruxelas?

A posição do Governo não se alterou, peço desculpa por desiludir ou não ir de encontro à expectativa, mas não mudou. Reconhecemos sempre que a dívida é um problema, é um constrangimento, o serviço da dívida tem um peso muito relevante no nosso OE, são mais de oito mil milhões de euros de juros todos os anos. Mas a resolução desse peso deve obviamente ser feita no quadro europeu e não alterámos nem uma vírgula desse ponto de vista.

A evolução tem sido feita através de aspirinas, prazos, juros, etc. Admite que no quadro europeu possa haver conversas para uma restruturação mais substantiva?

Posso responder olhando para o passado. Conseguimos beneficiar de alargamento das maturidades e de redução dos juros. Isso é uma restruturação da dívida.

Mas restruturação implica também diminuir o montante, perdão de dívida.

Ou não. Pode implicar - ou não. Temos três variáveis sempre em cima da mesa: o capital, as taxas de juro e a maturidade. Mas não é avisado, enquanto membro do governo, fazer especulações.

Essas conversas já estão de alguma forma a avançar ou com outros estados-membros ou com Bruxelas?

A melhor pessoa para poder responder a questões sobre negociações no quadro europeu, seja em que assunto for, nomeadamente financeiro, é o ministro das Finanças.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.