Saúde: Erros na fatura atrasam pagamentos

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) explicou hoje que os atrasos nos pagamentos referentes ao funcionamento da Unidade de Cuidados Continuados Integrados na Amora se devem a erros de faturação.

"Verifica-se uma série de erros de faturação que provocam atrasos na liquidação das faturas", referiu à Lusa a ARSLVT em comunicado.

O deputado do PSD Nuno Matias afirmou que a Unidade de Cuidados Continuados Integrados da Associação de Reformados e Idosos da Freguesia da Amora (Seixal) pode encerrar devido à falta de pagamentos por parte da Administração Regional de Saúde.

Numa visita efetuada ao local esta semana, os deputados sociais-democratas eleitos por Setúbal foram alertados para o perigo do encerramento das instalações, cinco meses após a sua inauguração, devido a uma verba de cerca de 230 mil euros que a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo ainda não pagou.

A ARS esclareceu que as faturas de agosto e setembro, no valor de cerca de 20 mil euros, foram pagas em dezembro de 2011, e que a fatura referente a outubro foi extraviada, tendo sido solicitada uma segunda via que foi devolvida por erro de faturação.

"A fatura referente a novembro de 2011 também foi devolvida por erro de faturação, tendo sido rececionada uma fatura retificada a 1 fevereiro, que foi novamente devolvida por erro de faturação", esclarece,

A fatura referente a dezembro deu entrada na ARS a 26 de janeiro e encontra-se para pagamento desde 8 fevereiro no valor de cerca de 26 mil euros, enquanto a fatura de janeiro está em conferência e a de fevereiro "foi solicitada devolução por erro de faturação e ainda não foi recebida fatura retificada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.