Infetados têm forma ligeira da doença e não a transmitem

80% das pessoas que contraíram sarampo estavam vacinadas. Avança com hipótese de ser necessária uma terceira dose

A diretora-geral da Saúde (DGS) revelou esta terça-feira que 80% das pessoas com sarampo no atual surto estão totalmente vacinadas e que todos os infetados desenvolveram uma "forma ligeira e modificada da doença", mas não a transmitem.

Graças Freitas falava durante uma audição na Comissão de Saúde sobre o surto do sarampo e a vacinação, solicitada pelo PS e pelo PCP, durante a qual indicou que os infetados no presente surto -- que já atingiu 86 pessoas -- "desenvolveram uma forma modificada da doença e não transmitem".

"O que estamos a assistir é uma forma de sarampo modificada. O estado imunitário das pessoas é que modificou e não o vírus", sublinhou Graças Freitas.

A especialista em saúde pública adiantou que "o surto atual de sarampo é diferente daquele que atingiu Portugal no ano passado", não se conhecendo, para já, qual o caso zero.

"Temos três possíveis linhagens de caso zero", referiu, acrescentando que as investigações ainda decorrem.

Sobre as diferenças entre o atual surto e os dois que atingiram Portugal no ano passado, Graça Freitas referiu que o atual "só atinge adultos jovens".

Entre os infetados, 80% estavam vacinados com duas doses. "Estavam, portanto, completamente e muito bem vacinados", disse.

Relativamente à alegada necessidade de mais uma dose de vacina contra o sarampo, como questionaram alguns deputados da Comissão de Saúde, Graça Freiras disse estar certa de que, "neste momento, está muita gente a pensar em fazer mais um reforço contra o sarampo".

No entanto, "até agora não há evidência científica de que isto deva ser feito", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.