Santander financia 1500 estágios remunerados em PME

O Santander Totta vai financiar um programa de 1500 estágios de três meses, em pequenas e médias empresas (PME), para alunos finalistas ou licenciados há menos de dois anos.

As primeiras 500 bolsas arrancam já em novembro. Cada estagiário vai receber 550 euros por mês, inteiramente financiados pelo banco.

"Perto de 80 mil empresas vão ser informadas do programa de estágios", adiantou o líder do Santander Totta, Vieira Monteiro, numa conferência de imprensa em Lisboa, para apresentar o programa de bolsas de estágio Santander Universidades.

As ofertas serão colocadas na página online do programa. Os alunos, das universidades e politécnicos públicos e privados, vão ser acompanhados pelas instituições de ensino superior, que assinaram ontem com o banco um protocolo de colaboração. Podem concorrer ao estágio os estudantes a frequentar o último ano da licenciatura ou mestrado integrado ou jovens que tenham concluído o ensino supeiror há menos de dois anos.

O programa tem a duração de três anos e representa um investimento total de 2,5 milhões de euros por parte do Santander Totta. Vieira Monteiro sublinhou a intenção do banco em "facilitar" o acesso dos jovens qualificados ao mercado de trabalho. Dando a possibilidade às empresas, de "a custo zero", avaliarem os candidatos durante três meses e a partir daí poderem optar por uma futura contratação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.