Santana pressionado para lançar candidatura antes de Rio

Estatutos da Misericórdia de Lisboa não preveem suspensão do mandato do provedor. Um problema para resolver com Costa

Desta vez é diferente. Desta vez é mesmo para avançar. Só algo do domínio do absolutamente imponderável fará Pedro Santana Lopes recuar na intenção de se candidatar a presidente do PSD.

A certeza foi avançada do DN por amigos do (ainda) provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). O quadro mental de Santana é agora completamente diferente daquele que tinha, por exemplo, quando o tentaram convencer a ser candidato à Câmara Municipal de Lisboa. Nessa altura nunca esteve verdadeiramente disponível. Só uma intensa pressão em sentido contrário é que o levou a prolongar o tempo de ponderação. Também quando alimentou o sonho de ser candidato a Presidente da República percebeu rapidamente que não tinha nenhuma hipótese frente ao hiperpopular Marcelo Rebelo de Sousa.

Um dos interlocutores, ontem, do DN disse mesmo que Santana Lopes poderá nem esperar pelo anúncio formal de Rui Rio - provavelmente (mas ainda sem confirmação oficial) na quarta-feira, em Coimbra. Ontem, o Observador dizia que o anúncio de Santana poderia ocorrer hoje mesmo, domingo. Fonte próxima não confirmou - aliás, achou improvável. E há ainda um problema por resolver.

Esse problema chama-se, precisamente, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Para avançar para o PSD, Santana Lopes teria de suspender o mandato como provedor (que ocupa desde 2011, nomeado por Passos Coelho e depois reconduzido por António Costa). Ora nada há na lei que preveja essa figura da suspensão do mandato - só a da renúncia. Uma certeza: avançando, Santana Lopes terá de previamente conversar com o primeiro-ministro. A SCML tem um número dois afeto ao PS, Edmundo Martinho, antigo presidente do Instituto da Segurança Social.

Santana tem passado os últimos dias em contactos com militantes do PSD. Recebeu incentivos de, por exemplo, Carlos Moedas, como ontem o Expresso noticiou. Há pelo menos um presidente de uma distrital que já disse publicamente que o apoia, o seu velho amigo Manuel Frexes, de Castelo Branco. Outros já lhe terão dito que o apoiarão quando a candidatura for formalmente apresentada. Os apelos terão aumentado de intensidade após os recuos de Luís Montenegro e de Paulo Rangel. Santana conta também ter do seu lado Miguel Pinto Luz, ex-presidente da distrital de Lisboa do PSD. Na terça-feira a seguir às autárquicas disse na SIC Notícias que estava "ponderar" uma candidatura. Na sexta-feira, escreveu no Correio da Manhã que está a preparar um programa: "É disso que estou a cuidar estes dias."

Para a ponderação do atual provedor da SCML conta também a convicção de que já conseguiu reparar os danos na sua imagem da desastrosa experiência como presidente do PSD e primeiro-ministro, entre 2004 e 2005.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.