Sampaio: Guterres ficou "à rasca" com anúncio da candidatura a Belém

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio revela que António Guterres ficou "absolutamente à rasca" por ter anunciado a candidatura a Belém à margem do PS, mas defende que foi a forma de "manter a independência até ao fim".

Esta é uma das revelações feitas pelo antigo chefe de Estado (1996-2006) no segundo volume da sua biografia política, da autoria do jornalista do Expresso José Pedro Castanheira e que será lançado pela Porto Editora em 20 de março e apresentado em 07 de abril.

No livro, de 1063 páginas e que abrange o período da presidência da Câmara de Lisboa e os dez anos em Belém, Sampaio afirma que foi o seu amigo Nuno Brederode Santos que o desafiou a avançar mais cedo do que pretendia, alegando que o PS se preparava para apoiar outro candidato.

"Tens que avançar, e já, porque os gajos vão decidir outra coisa", disse-lhe o amigo, levando Sampaio a telefonar logo a seguir a António Guterres, então secretário-geral do PS, para lhe comunicar que iria avançar.

Sampaio confessa mesmo que teve um dos seus "impulsos" e acedeu a telefonar "de imediato" ao então líder do PS e hoje secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Peguei no telefone, fez-se um silêncio absoluto e todos os que estavam ouviram a conversa: 'Oh Guterres, é só para lhe dizer que vou anunciar a minha candidatura dentro de dias", realça. A candidatura presidencial foi anunciada em fevereiro de 1995.

À novidade, Guterres respondeu: "Eh pá! Você não nos vai fazer uma coisa dessas! Com certeza que o apoio, mas o partido ainda não está preparado, é preciso discutir melhor. Não pode adiar uns dias", perguntou. Sampaio respondeu que não.

O Guterres ficou absolutamente à rasca, porque tinha uma gestão interna difícil de fazer. Não esperavam que lhes comunicasse assim de repente e cortei-lhes qualquer hipótese

O ex-chefe de Estado considera, contudo, que Guterres acabaria por apoiar a sua candidatura à Presidência, mesmo se o tivesse feito mais tarde, até porque a isso se propusera antes de ser eleito secretário-geral do PS.

"A antecipação relativamente ao partido foi o que me valeu para manter a independência até ao fim. Mas estou convencido de que Guterres acabaria sempre por me apoiar: no fundo, era o compromisso que me propusera antes de ele ser eleito secretário-geral", acentua.

No livro, Jorge Sampaio recorda a preferência do seu antecessor em Belém, o falecido Mário Soares, por outro candidato. Apesar de o considerar "um tipo sério", Soares achava que Sampaio era "muito hesitante, uma tortura", além de não ter "alegria nem savoir-faire".

"Não tenho a menor dúvida de que não me queria como sucessor. Não lhe comuniquei nada e só se rendeu à minha candidatura quando, uns meses depois, me convidou e à Maria José para jantar em sua casa no Campo Grande. Era a consagração do candidato", conclui o ex-Presidente da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.