Nóvoa pede "muita alegria" até ao último minuto

O diretor da campanha de Sampaio da Nóvoa saudou a "manifestação de civismo" do povo português

Sampaio da Nóvoa chegou às 18.46 à sua sede de campanha, na Rua D. Luís I, em Lisboa, saudado pelas dezenas de apoiantes e membros da candidatura. Aos jornalistas disse que iria analisar os valores da abstenção, mas insistiu em palavras que foi repetindo na campanha: na "muita alegria" e "muito entusiasmo" com que andou na estrada.

"Espero ver as pessoas que estiveram nesta campanha, ao longo destas duas semanas, ao longo destes meses, estiveram com muita generosidade, com muita alegria. Até ao último minuto, até ao último segundo, com muita confiança, muita alegria, muito entusiasmo", afirmou o candidato.

Pedro Delgado Alves, diretor da campanha de Sampaio da Nóvoa, já reagiu às projeções da abstenção, saudando a "manifestação de civismo" do povo português, num dia em que não se registaram incidentes, e notando que se verificou uma "ligeira subida da participação", relativamente "às últimas eleições", da reeleição de Cavaco Silva em 2011 (mas abaixo do ato eleitoral de 2006).

Para o também deputado socialista, estes números mostram "a necessidade clara de, em breve" se fazer uma "limpeza mais clara dos cadernos eleitorais".

No final da sua curta declaração, Pedro Delgado Alves deixou um desejo de que "esta noite seja uma festa da democracia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.