Sair da atual solução "é a última coisa que o PCP pode fazer"

O pior que o PCP podia agora fazer era recuar no apoio ao PS. "O PCP seria responsabilizado pela rutura de uma solução que torna o país um pouco mais feliz", argumenta renovador Carlos Brito

A partir de Alcoutim, onde vive a sua reforma, o comunista renovador Carlos Brito - foi suspenso do PCP em 2002 por um ano e depois manteve ele próprio essa situação - explica os resultados dos seus antigos camaradas mais por fatores locais e avisa que o pior que o PCP podia agora fazer era recuar no apoio ao PS. "O PCP seria responsabilizado pela rutura de uma solução que torna o país um pouco mais feliz", argumenta.

Como olha para estes resultados, para as perdas significativas que o PCP teve nestas eleições?

Creio que falando-se de perdas e derrotas, há que sublinhar que a grande derrota nestas eleições é a do PSD, e que pode modificar todo o quadro político português, derrota tão grande que põe em questão a própria liderança do partido, se não no imediato, pelo menos no próximo congresso. Não fugindo à sua pergunta, creio que as derrotas do PCP se devem em larga medida - não estou a dizer em exclusivo - a fatores locais. E saliento entre esses fatores as listas de independentes de cidadãos eleitores, que ditam a derrota em Peniche e em vários concelhos do Alentejo. Sendo que estas candidaturas independentes em muitos casos são animadas e promovidas por dissidentes do PCP ou por ex-simpatizantes do PCP com os quais o partido, por quaisquer razões do sectarismo que continua a haver nas suas fileiras, não foi capaz de dialogar suficientemente.

Segundo aspeto: creio que particularmente nas grandes cidades, nos grandes centros urbanos, há erros de gestão por parte do PCP nas condições dos anos da austeridade. Naturalmente foram anos muito duros na gestão autárquica e creio que, nalguns concelhos, não foram bem definidas as prioridades e as pessoas sentiram-se um bocado tocadas em questões importantes, designadamente nos transportes. Foram transferidas para aí algumas das dificuldades orçamentais que as autarquias estavam a experimentar.

Isto não são derrotas definitivas: ao longo destes anos têm havido autarquias de grandes cidades que o PCP perde e mais adiante vem recuperar. O caso de Évora é exemplar, no coração do Alentejo. Isso também vai acontecer. No caso de Almada as diferenças são mínimas: tanto o PCP, a CDU, como o PS elegem quatro vereadores. Vai ser complicado de gerir. Não é uma humilhação. Pelo contrário, o PCP tem uma grande vitória na cidade de Setúbal, que é uma das grandes capitais de distrito do nosso país, e tem uma grande, grande vitória. Há estes fatores que temos de considerar.

A culpa não é do apoio ao PS...

Quanto a mim, não é a abertura que o PCP fez depois das legislativas de 2015 e que proporcionou a existência do atual governo com as características que tem, a chamada geringonça, não é essa a causa das derrotas do PCP. O que considero é que a abertura foi insuficiente. Ao fazê-la, o PCP tinha que abrir muito mais para a sociedade.

E não poderá ter implicações na relação do PCP com o PS?

Já lá iremos. O que acho é que o PCP devia ter feito muito mais para dialogar com a sociedade, inclusive com os numerosos comunistas que deixaram o partido ou que o partido deixou neste percurso. Em muitos casos, são pessoas altamente influentes e se o PCP mantivesse o diálogo com eles, não só teria impedido e inviabilizado algumas listas de cidadãos que andam por aí a afetar o eleitorado do PCP, como teria adquirido o apoio de pessoas que têm influência. O pior que o PCP poderia agora fazer era arrepender-se da abertura e dos acordos que fez nos finais de 2015, que deram sustentação ao atual Governo. Era o pior que podia fazer. É a última coisa que o PCP pode fazer. O PCP tem que se colocar dentro desta solução em que participa com as forças todas, sem vergonha de lá estar, afirmando a sua identidade, tomando posições reivindicativas já no Orçamento do Estado, naturalmente fazendo-o com ponderação e muito cuidado, mas também com muita audácia. O PCP não deve recuar. A recuar, o PCP seria responsabilizado pela rutura de uma solução que torna o país um pouco mais feliz, um pouco mais esperançoso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.