Moscovici: saída do Défice Excessivo é muito boa notícia para economia portuguesa

Comissário dos Assuntos Económicos revelou que decisão da Comissão foi "muito clara e unânime"

O comissário europeu dos Assuntos Económicos comentou hoje que o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) a Portugal, ao fim de oito anos, "é verdadeiramente uma muito boa notícia" para a economia portuguesa e para o povo português.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas, para apresentação do "pacote da primavera do semestre europeu", no quadro do qual a Comissão recomendou ao Conselho a saída de Portugal do PDE, Moscovici comentou que esta decisão "foi muito clara e unânime" no seio do colégio de comissários, até porque mesmo o potencial impacto da capitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no défice não deverá ameaçar a sua "redução duradoura".

Lembrando que Portugal já estava há oito anos (desde 2009) sob o braço corretivo do Pacto de Estabilidade e Crescimento, tendo entretanto o país estado igualmente sob programa de assistência (de 2011 a 2014), Moscovici considerou que o encerramento do PDE é assim "verdadeiramente uma muito boa notícia, uma notícia muito importante para Portugal, para a economia portuguesa e para o povo português", constituindo também um "belo reconhecimento" pelos esforços do país, particularmente atingido pela crise.

Na recomendação dirigida ao Conselho, a Comissão aponta que as suas projeções económicas, com base nas quais decidiu fazer sair Portugal do PDE, dado preverem que o défice continuará bem abaixo do limiar dos 3% do PIB também em 2017 e 2018, "não incluem o potencial impacto de medidas de apoio à banca", numa referência à capitalização da Caixa Geral de Depósitos.

Na conferência de imprensa, o vice-presidente responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, confirmou que "o elemento" que a Comissão continua a "monitorizar de perto" é o dos "custos associados à capitalização da Caixa Geral de Depósitos", mas referiu que Bruxelas está "em contacto próximo com as autoridades portuguesas, que asseguraram que o impacto orçamental da operação está contido".

Também Moscovici referiu que, "com base nas informações disponíveis nesta altura" e também "nas garantias recebidas do Governo português", a Comissão "não espera que (a capitalização da CGD) coloque em risco a redução duradoura do défice", pelo que chegou à decisão "muito clara e unânime" de recomendar a saída de Portugal do PDE ao Conselho, que deverá pronunciar-se no próximo mês de junho.

A Comissão Europeia decidiu hoje recomendar ao Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) aplicado a Portugal desde 2009.

Bruxelas aponta que Portugal reduziu o seu défice para 2,0% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, abaixo da meta dos 3% inscrita no Pacto de Estabilidade e Crescimento, e lembra que as suas próprias previsões económicas antecipam que o país continuará com um défice abaixo daquele valor de referência em 2017 e 2018, pelo que ficaram reunidas as condições para o encerramento do procedimento, que era aplicado a Portugal há oito anos.

Concluindo que Portugal corrigiu com sucesso o seu défice excessivo, a Comissão sublinha que se o Conselho seguir a sua recomendação -- o que normalmente sucede -, então apenas quatro Estados-membros (França, Espanha, Grécia e Reino Unido) passam a estar sob o braço corretivo do PEC, quando em 2011 esse número se elevava a 24.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.