Rui Rio diz que se fosse deputado votaria a favor da despenalização da eutanásia

O presidente do PSD afirmou hoje, em Leiria, que se fosse deputado votaria a favor da despenalização da eutanásia e que a votação desfavorável "não vai mudar as suas convicções".

À entrada para a reunião do Conselho Nacional do PSD, Rui Rio lembrou que o partido deu "liberdade de voto" para que os deputados votassem como "bem entendessem" os projetos de lei sobre a despenalização da eutanásia.

"Votar não posso, porque não sou deputado. Mas se votasse, votava como todos sabem [favorável]", sublinhou.

Rui Rio afirmou que nunca sujeitou as suas "convicções a qualquer circunstância de oportunidade pessoal".

"As pessoas que me conhecem sabem que foi sempre assim ao longo da minha vida. Nunca pus em causa as minhas convicções com aspetos de conjuntura ou de oportunidade. Foi assim até esta idade e será sempre assim até morrer", garantiu.

O presidente do PSD considerou ainda que o voto maioritariamente contra dos deputados do PSD não afasta a bancada social-democrata da direção do partido

"Mas mesmo que achasse que sim não mudo as minhas convicções. Sou mesmo assim e acho que na política se deve ser assim. Não ajo em função da oportunidade. Tenho a minha opinião, cada deputado tem a sua e cada um é livre e tem o dever de a expressar livremente."

A Assembleia da República chumbou os projetos de lei do PAN, BE, PS e PEV para a despenalização da eutanásia.

O projeto do PAN teve 107 votos a favor, 116 contra e 11 abstenções. O diploma do PS recebeu 110 votos a favor, 115 contra e quatro abstenções.

O projeto do BE recebeu 117 votos contra, 104 a favor e oito abstenções. O diploma do PEV recolheu 104 votos favoráveis, 117 contra e oito abstenções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.