Rio deverá anunciar candidatura à liderança na quarta-feira

Apresentação deve realizar-se dois dias depois do Conselho Nacional do PSD, marcado para segunda-feira, dia 9

Rui Rio deverá anunciar a candidatura à liderança do PSD na próxima quarta-feira, dia 11 de outubro, em Coimbra, avança a Antena 1.

O antigo presidente da Câmara do Porto ainda não decidiu o horário, mas deverá apresentar a candidatura à liderança do PSD pela hora do almoço ou ao final da tarde, indicam fontes próximas de Rio, citadas pela Antena 1. A apresentação, a confirmar-se, realiza-se dois dias depois do Conselho Nacional do PSD, que marcará a data das eleições diretas no PSD.

António Tavares e Couto dos Santos confirmaram à Antena 1 que estariam presentes nesta apresentação.

A escolha da cidade de Coimbra não terá sido ao acaso: defensor da regionalização, Rui Rio quer passar a mensagem de que não é só Lisboa que conta, e preferiu evitar o Porto para que a candidatura não seja colada ao Norte.

O DN sabe que Rui Rio vai mesmo avançar e sem "margem de recuo". Porém, a data de quarta-feira não é confirmada pelas fontes ouvidas pelo DN.

Nas últimas semanas. Rui Rio intensificou os contactos políticos dentro do partido, mas a hecatombe nas eleições autárquicas aceleraram o processo. O ex-autarca do Porto convidou na terça-feira para um jantar, numa quinta em Azeitão, alguns figuras importantes do partido, entre os quais Nuno Morais Sarmento, Ângelo Correia, Feliciano Barreiras Duarte e José Eduardo Martins para discutir a estratégia e a seguir.

Rui Rio confirmou ao DN que já há algum tempo tem vindo a falar com as principais figuras do PSD e que vai continuar a fazê-lo nos próximos dias. E acrescentou: "O que era notícia é que eu não falasse com ninguém nesta altura".

Montenegro e Rangel fora da corrida, Santana cuida de programa

O eurodeputado Paulo Rangel anunciou esta sexta-feira que não será candidato à liderança do PSD "por razões familiares", agradecendo os apoios recebidos e assegurando que se manterá neutro face a futuras candidaturas. Ontem, foi o ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro a anunciar o mesmo: não será candidato à liderança por considerar que, neste momento, não estão reunidas as condições para o fazer "por razões pessoais e políticas".

Luís Montenegro agradeceu todas as manifestações de apoio que recebeu e prometeu "total equidistância" em relação às candidaturas que irão surgir, embora sem abdicar de "participar ativamente" no debate interno.

Já Santana Lopes, sem admitir que é candidato, revela esta sexta-feira num artigo de opinião no Correio da Manhã que está a escrever um programa. Santana escreve que "nesta fase, os programas são muito importantes, por mim, é disso que estou a cuidar estes dias"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.