Rio deverá anunciar candidatura à liderança na quarta-feira

Apresentação deve realizar-se dois dias depois do Conselho Nacional do PSD, marcado para segunda-feira, dia 9

Rui Rio deverá anunciar a candidatura à liderança do PSD na próxima quarta-feira, dia 11 de outubro, em Coimbra, avança a Antena 1.

O antigo presidente da Câmara do Porto ainda não decidiu o horário, mas deverá apresentar a candidatura à liderança do PSD pela hora do almoço ou ao final da tarde, indicam fontes próximas de Rio, citadas pela Antena 1. A apresentação, a confirmar-se, realiza-se dois dias depois do Conselho Nacional do PSD, que marcará a data das eleições diretas no PSD.

António Tavares e Couto dos Santos confirmaram à Antena 1 que estariam presentes nesta apresentação.

A escolha da cidade de Coimbra não terá sido ao acaso: defensor da regionalização, Rui Rio quer passar a mensagem de que não é só Lisboa que conta, e preferiu evitar o Porto para que a candidatura não seja colada ao Norte.

O DN sabe que Rui Rio vai mesmo avançar e sem "margem de recuo". Porém, a data de quarta-feira não é confirmada pelas fontes ouvidas pelo DN.

Nas últimas semanas. Rui Rio intensificou os contactos políticos dentro do partido, mas a hecatombe nas eleições autárquicas aceleraram o processo. O ex-autarca do Porto convidou na terça-feira para um jantar, numa quinta em Azeitão, alguns figuras importantes do partido, entre os quais Nuno Morais Sarmento, Ângelo Correia, Feliciano Barreiras Duarte e José Eduardo Martins para discutir a estratégia e a seguir.

Rui Rio confirmou ao DN que já há algum tempo tem vindo a falar com as principais figuras do PSD e que vai continuar a fazê-lo nos próximos dias. E acrescentou: "O que era notícia é que eu não falasse com ninguém nesta altura".

Montenegro e Rangel fora da corrida, Santana cuida de programa

O eurodeputado Paulo Rangel anunciou esta sexta-feira que não será candidato à liderança do PSD "por razões familiares", agradecendo os apoios recebidos e assegurando que se manterá neutro face a futuras candidaturas. Ontem, foi o ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro a anunciar o mesmo: não será candidato à liderança por considerar que, neste momento, não estão reunidas as condições para o fazer "por razões pessoais e políticas".

Luís Montenegro agradeceu todas as manifestações de apoio que recebeu e prometeu "total equidistância" em relação às candidaturas que irão surgir, embora sem abdicar de "participar ativamente" no debate interno.

Já Santana Lopes, sem admitir que é candidato, revela esta sexta-feira num artigo de opinião no Correio da Manhã que está a escrever um programa. Santana escreve que "nesta fase, os programas são muito importantes, por mim, é disso que estou a cuidar estes dias"

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.