Rio alerta para "graves problemas" da Saúde em Portugal

O presidente do PSD falou do "muito elevado montante" da dívida na Saúde que "um dia terá de ser paga" e da ausência de investimentos em equipamentos

Rui Rio alertou esta segunda-feira, em Coimbra, para os "graves problemas" que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a atravessar, nomeadamente com o agravamento da dívida e com a ausência de investimento em equipamentos.

No início de uma semana dedicada ao setor da Saúde, Rui Rio visitou o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e ainda a Maternidade Bissaya Barreto onde abordou, com os jornalistas, as "enormes dificuldades" que conheceu em Coimbra, pese embora também tenha tido oportunidade de visitar "serviços de excelência".

A Saúde tem uma grave carência de pessoal: o Governo baixou as 40 horas para as 35 horas e, se há setores em que isso não é particularmente grave, na saúde, é. E isso hoje origina graves carências na prestação de serviços por falta de profissionais, sejam médicos, enfermeiros e auxiliares

Por outro lado, Rui Rio apontou outros "graves problemas", como por exemplo o "agravamento das dívidas do SNS, que são dívida pública e que um dia terá de ser paga", e a "falta de investimento nos equipamentos, que são absolutamente fundamentais para diagnósticos corretos e tratamentos corretos".

O crescimento das dívidas da Saúde, "de muito elevado montante" e que gera "grave preocupação", foi matéria que Rui reforçou, assim como a "questão das listas de espera, que tem vindo a agravar-se".

Optando por não falar sobre outros temas da atualidade, para não desviar atenções e alertar o país para os problemas da Saúde, Rui Rio disse ainda defender o SNS, uma "das grandes conquistas do 25 de Abril".

Estas visitas, que passarão igualmente pelo Hospital S. João, no Porto - "não é só lá que há dificuldades" - têm a intenção de alertar também o Governo para "eliminar de forma mais célere" os problemas na Saúde.

Sobre um eventual pacto com o PS sobre este setor, Rui Rio disse que os "acordos têm sempre a ver com questões de ordem estrutural e não de governação", mas que se o "PS, o CDS e os outros partidos quiserem conversar sobre alguma reforma de fundo no SNS", o PSD "está disponível".

Estes problemas derivam de má gestão, de um franco combate à racionalidade da despesa e ao desperdício em termos de despesa pública

O presidente do PSD falou ainda da necessidade de se construir uma nova maternidade em Coimbra, que esteja mais próxima do Centro Hospitalar, e reconheceu ter visitado no CHUC serviços de grande qualidade, como a "Cardiologia ou o serviço do professor Manuel Antunes".

A nova maternidade em Coimbra permitirá que "Portugal continue a ter uma taxa de mortalidade infantil muito, muito baixa, das melhores do Mundo".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."