Rui Pereira novo presidente do Observatório de Segurança

O ex-ministro da Administração Interna Rui Pereira foi hoje eleito presidente do Conselho Diretivo do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), informou o general Garcia Leandro, presidente eleito da Assembleia-Geral.

Rui Pereira, que tutelou a PSP e a GNR durante o anterior Governo socialista de José Sócrates, regressa assim à OSCOT, organização que fundou.

O antigo ministro, que sucede no cargo a José Manuel Anes, o qual passa agora a presidir ao Conselho Consultivo, liderava a única lista concorrente.

Foi ainda eleito, em reunião da Assembleia-Geral, o presidente deste órgão, general Garcia Leandro, que liderava o Conselho Consultivo no mandato anterior.

Transitam também do mandato anterior o ex-presidente da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) António Nunes, que se mantém na presidência do Conselho Fiscal, e o economista António Rebelo de Sousa, que continua como vice-presidente do Conselho Diretivo.

O Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo apresenta-se, no seu portal, como uma organização da sociedade civil, independente do Estado, que se preocupa com a segurança nas suas várias vertentes, sobretudo a das pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.