Rui Moreira: Taxa turística será "tema interessante de campanha eleitoral"

Presidente da Câmara do Porto empurrou tema da taxa turística para um próximo mandato e garantiu que não será introduzida no próximo ano

O presidente da Câmara do Porto afirmou hoje que a "taxa turística" será um dos "temas interessantes da campanha eleitoral" para as próximas autárquicas e defendeu que "não foi o turismo que expulsou os habitantes do centro da cidade".

"No próximo ano não haverá taxa turística", afirmou o autarca Rui Moreira no final de uma reunião com o seu homólogo de Lisboa Fernando Medina para quem este "vai ser um tema interessante da campanha eleitoral".

Rui Moreira, que prefere deixar o tema para o próximo mandato, defendeu ainda que "não foi o turismo que expulsou os habitantes da cidade do Porto" e que "qualquer taxa turística terá de ter como preocupação a questão da pegada turística".

O autarca referiu ainda que o turismo "precisa de modelos de financiamento" e que "uma das opções relativamente às taxas turísticas tem a ver com o município poder adquirir edificado que depois possa ser disponibilizado à população autóctone, contrariando o que tem vindo a ser a evolução do mercado".

"O que está a acontecer nalgumas zonas é que o preço do imobiliário está a aumentar", assinalou o autarca para quem é necessário ter um "stock de habitação disponível para quem cá vive o ano todo, para quem cá trabalha".

Rui Moreira disse mesmo que "um dos grandes problemas é o facto de a população autóctone não ter recursos disponíveis para continuar a pagar uma habitação que de repente é mais cobiçada".

"Este é um tema interessantíssimo para debater na próxima campanha eleitoral (...). Estamos a aprender a lição com Lisboa", destacou.

Também Fernando Medina assinalou que "Porto e Lisboa foram as duas cidades que sofreram grandes processos de desertificação há alguns anos" e que hoje a questão não pode ser colocada como sendo a de "turistas contra os residentes".

"Há que encontrar soluções novas de políticas públicas de habitação" que permita a coexistência de turistas, residentes e comerciantes, referiu o autarca segundo o qual "o crescimento do turismo cria tensões" e "coloca novos desafios do ponto de vista da gestão urbana".

O presidente da Câmara de Lisboa assinalou que a gestão do crescimento do turismo é "um bom debate para as cidades", devendo ser encontradas novas políticas públicas que permitam disponibilizar habitação a preços mais acessíveis e mais qualidade de vida aos que querem residir nos centros das cidades.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.