Rui Moreira: TAP tentou impedir que aeroporto do Porto crescesse

A Assembleia Municipal aprovou uma moção contra as decisões da TAP e da ANA consideradas lesivas para o Sá Carneiro

O presidente da Câmara do Porto afirmou na segunda-feira à noite que "a "TAP tentou fazer com que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro não crescesse" e acrescentou que o Norte tem sido vítima de uma "política colonial".

Rui Moreira falava na Assembleia Municipal durante o debate sobre "a situação decorrente da atividade da TAP no Aeroporto do Porto", que culminou com a aprovação, por maioria, de uma moção contra decisões da TAP e da ANA consideradas lesivas para o aeroporto da cidade e o Norte.

O autarca atacou mais uma vez a TAP, referindo que a cidade e a região não querem e não podem pagar a fatura de uma empresa que não serve os seus interesses. "Ao contrário do que dizem algumas pessoas, não sou autonomista ou independentista. É o contrário, sou português", afirmou. Sustentou que "o interesse público tem a ver com coesão social, que não existe sem coesão territorial".

"Não estamos a pedir nada a que não tenhamos direito. Não podemos é dizer que a TAP é um objeto voador não identificado e por isso vamos deixar que as coisas fiquem assim. Vamos reclamar que ela seja nacionalizada e enquanto ela não for nacionalizada vamos deixar que nos façam todas as maldades? Não me conformo", disse.

Rui Moreira sustenta que se a TAP for uma empresa privada deve perder os direitos que tem como companhia de bandeira. "Fique privada, faça a sua vida e nós faremos a nossa", completou.

"Enquanto empresa pública, nos últimos anos, a TAP foi um instrumento que tentou fazer com que o aeroporto Francisco Sá Carneiro não crescesse e o Norte não existisse", acusou. Para o autarca, o objetivo é construir um novo aeroporto de Lisboa, fazendo "esgotar rapidamente" o da Portela e esvaziando o do Porto.

"Temos [o Norte] uma taxa de cobertura na balança comercial de 40%. Essa é que a questão. E estou farto de ouvir o velho discurso em que nos dizem que bom é o Norte. É as exportações, as empresas, é lá que está tudo. Depois, desligam-se as televisões e ficam-se a rir de nós", prosseguiu.

Rui Moreira disse que a região, apesar da sua força económica, continua a ter um "muito menor rendimento per capita e níveis de desenvolvimento muito baixos" e os seus habitantes são "os mais mal pagos e níveis de desenvolvimento muito baixos".

"Isso obedece a uma estratégia. Em termos económicos, chama-se política colonial. Não tem outro nome", considerou, negando ser bairrista: "Estamos a zelar pelos interesses nacionais. Não podemos continuar a ouvir discursos vazios dizendo que é preciso industrializar o país".

O líder da bancada socialista, Gustavo Pimenta, entendeu que Rui Moreira também visou o atual Governo com as suas críticas e por isso vincou que "são pelo PS totalmente rejeitadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?