Rui Moreira: TAP tentou impedir que aeroporto do Porto crescesse

A Assembleia Municipal aprovou uma moção contra as decisões da TAP e da ANA consideradas lesivas para o Sá Carneiro

O presidente da Câmara do Porto afirmou na segunda-feira à noite que "a "TAP tentou fazer com que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro não crescesse" e acrescentou que o Norte tem sido vítima de uma "política colonial".

Rui Moreira falava na Assembleia Municipal durante o debate sobre "a situação decorrente da atividade da TAP no Aeroporto do Porto", que culminou com a aprovação, por maioria, de uma moção contra decisões da TAP e da ANA consideradas lesivas para o aeroporto da cidade e o Norte.

O autarca atacou mais uma vez a TAP, referindo que a cidade e a região não querem e não podem pagar a fatura de uma empresa que não serve os seus interesses. "Ao contrário do que dizem algumas pessoas, não sou autonomista ou independentista. É o contrário, sou português", afirmou. Sustentou que "o interesse público tem a ver com coesão social, que não existe sem coesão territorial".

"Não estamos a pedir nada a que não tenhamos direito. Não podemos é dizer que a TAP é um objeto voador não identificado e por isso vamos deixar que as coisas fiquem assim. Vamos reclamar que ela seja nacionalizada e enquanto ela não for nacionalizada vamos deixar que nos façam todas as maldades? Não me conformo", disse.

Rui Moreira sustenta que se a TAP for uma empresa privada deve perder os direitos que tem como companhia de bandeira. "Fique privada, faça a sua vida e nós faremos a nossa", completou.

"Enquanto empresa pública, nos últimos anos, a TAP foi um instrumento que tentou fazer com que o aeroporto Francisco Sá Carneiro não crescesse e o Norte não existisse", acusou. Para o autarca, o objetivo é construir um novo aeroporto de Lisboa, fazendo "esgotar rapidamente" o da Portela e esvaziando o do Porto.

"Temos [o Norte] uma taxa de cobertura na balança comercial de 40%. Essa é que a questão. E estou farto de ouvir o velho discurso em que nos dizem que bom é o Norte. É as exportações, as empresas, é lá que está tudo. Depois, desligam-se as televisões e ficam-se a rir de nós", prosseguiu.

Rui Moreira disse que a região, apesar da sua força económica, continua a ter um "muito menor rendimento per capita e níveis de desenvolvimento muito baixos" e os seus habitantes são "os mais mal pagos e níveis de desenvolvimento muito baixos".

"Isso obedece a uma estratégia. Em termos económicos, chama-se política colonial. Não tem outro nome", considerou, negando ser bairrista: "Estamos a zelar pelos interesses nacionais. Não podemos continuar a ouvir discursos vazios dizendo que é preciso industrializar o país".

O líder da bancada socialista, Gustavo Pimenta, entendeu que Rui Moreira também visou o atual Governo com as suas críticas e por isso vincou que "são pelo PS totalmente rejeitadas".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.