Rui Moreira e Manuel Pizarro empatados no Porto

Candidato independente recolhe 34% de votos e o socialista 33%. PSD sofre hecatombe, com apenas 13% de votos. CDU mantém vereador, BE pode eleger

Um por cento é quanto separa Rui Moreira e Manuel Pizarro nas intenções de voto da sondagem publicada esta sexta-feira no Jornal de Notícias. De acordo com o estudo de opinião JN/Universidade Católica, o candidato independente recolhe 34% de votos e o socialista 33%. A margem de erro do inquérito é de 2,8%, pelo que se fala em empate técnico.

Estas intenções de voto apontam para uma distribuição de mandatos igualmente equilibrada: quatro a seis mandatos para o movimento "Porto, o nosso partido" e outros quatro a seis para o PS.

Bem longe fica o terceiro mais votado, segundo a sondagem. O candidato do PSD/PPM, Álvaro Almeida, tem 13% das intenções de voto, o que se traduzirá em um ou dois mandatos, uma hecatombe para os sociais-democratas que - há quatro anos, com Luís Filipe Menezes também em terceiro -, tiveram 21% dos votos.

À esquerda, Ilda Figueiredo mantém a votação para a CDU, mantendo assim também o mandato único, e João Teixeira Lopes pode chegar aos 6% pelo BE, o que pode levar à sua eleição. Fora desta equação fica o PAN que, com Bebiana Cunha, não ultrapassa os 2%, sem ter qualquer possibilidade de ser eleita.

Num comentário à sondagem, João António, do CESOP da Universidade Católica, explicou que o trabalho de campo foi efetuado antes da campanha oficial e que, "em sondagens autárquicas, mais do que em legislativas, as semanas de campanha são muito relevantes para a formação definitiva da intenção de voto".

(A sondagem em causa foi realizada pelo CESOP-Universidade Católica Portuguesa para o Jornal de Notícias nos dias 16 e 17 de setembro de 2017. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes no concelho do Porto. Foram selecionadas cinco freguesias do concelho de modo a que as médias dos resultados eleitorais das eleições autárquicas de 2005, 2009 e 2013 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados dos cinco maiores partidos ao nível do concelho. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente no concelho. Foram obtidos 1239 inquéritos válidos, sendo 57% dos inquiridos do sexo feminino. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no concelho por sexo, escalões etários, e freguesia na base dos dados do recenseamento eleitoral e das estimativas do INE. A taxa de resposta foi de 84%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1239 inquiridos é de 2,8%, com um nível de confiança de 95%.)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.