Rui Moreira garante "total confiança" no que foi feito por Pizarro

Presidente da Câmara do Porto diz que tem total confiança em Pizarro, que agora é candidato do PS à autarquia

O presidente da câmara do Porto, Rui Moreira, garantiu esta noite ter "total confiança" no que foi feito pelo vereador socialista Manuel Pizarro, agora seu adversário às autárquicas mas que até segunda-feira liderou o pelouro da Habitação.

"Orgulho-me muito daquilo que tem sido feito ao longo destes três anos e meio e daquilo que o doutor Manuel Pizarro e a sua equipa foram responsáveis. Têm total confiança da minha parte", disse Rui Moreira, que respondia, na sessão da Assembleia Municipal do Porto, a um desafio do deputado da CDU, Belmiro Magalhães.

No sábado, o PS/Porto anunciou que Manuel Pizarro é o candidato socialista à Câmara do Porto.

A decisão do PS de avançar com um candidato próprio surgiu um dia após o movimento independente de Rui Moreira - Porto, O Nosso Partido, que tem o apoio do CDS-PP, ter anunciado que prescindia do apoio dos socialistas à recandidatura do autarca.

Segunda-feira, os vereadores socialistas na câmara do Porto, Manuel Pizarro e Manuel Correia Fernandes, devolveram os pelouros que detinham - Habitação e Ação Social, bem como Urbanismo, respetivamente.

Na sequência desta decisão, Rui Moreira passa a deter os pelouros da Habitação e Ação Social, da Cultura, da Proteção Civil e do Desporto e Lazer, ao passo que Rui Loza, representante da autarquia na Porto Vivo - Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU), fica a tutelar o Urbanismo.

Esta noite o deputado da CDU mostrou preocupação com os assuntos da alçada dos pelouros agora devolvidos pelos socialistas e referiu: "Por favor tenham consciência que não têm o direito de usar os serviços da autarquia em disputas políticas".

"Tendo em conta que houve um trânsito de responsabilidades no pelouro da Habitação, que passou de Manuel Pizarro para Rui Moreira, deixamos um desafio. Esta é uma oportunidade para reconsiderar a forma irregular como a câmara tem vindo a aplicar a nova lei do arrendamento social. Senhor presidente da câmara agora só depende de si a suspensão dos milhares de aumentos de renda em curso e a reavaliação imediata deste processo", disse Belmiro Magalhães.

Em resposta, Rui Moreira disse "perceber" que se vive um período eleitoral, mas relativamente à questão da Habitação Social disse não ter "dúvida nenhuma de que tudo o que foi tratado" por Manuel Pizarro "foi tratado competentemente".

"Tenho a maior das certezas de que aquilo que encontrarei é um pelouro que foi muito bem tratado. Aquilo que farei é continuar a fazer aquilo de que a Câmara do Porto, o município do Porto, os moradores dos empreendimentos sociais, muito se orgulham", disse Rui Moreira.

Antes, Belmiro Magalhães iniciou a sua intervenção com a afirmação: "Eu creio que nós não podemos fazer esta Assembleia Municipal como se estivéssemos num 'bunker' isolados de tudo o que nos rodeia (...). É um grande orgulho integrar uma força política que apresenta as suas candidaturas por convicção e não por obrigação. Onde não prevalecem projetos pessoais de poder, mas antes um programa centrado na procura de uma vida melhor para as pessoas".

A intervenção do deputado da CDU surgiu num período reservado à discussão da atividade do município e situação financeira da câmara, numa sala em que também esteve presente, no lado reservado à assistência, a candidata da coligação PCP/PEV à autarquia do Porto, Ilda Figueiredo.

Na corrida à câmara do Porto, para as eleições agendadas para 01 de outubro, somam-se como candidatos o independente Álvaro Almeida, apoiado pelo PSD e pelo PPM, e João Semedo, pelo Bloco de Esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.