Rui Moreira ataca Rio e Rangel

Candidato fez duro ataque a Rui Rio e Paulo Rangel por "terem utilizado o Porto como território de disputas nacionais"

Foi um Rui Moreira com palavras duras para os principais opositores na corrida à Câmara do Porto que surgiu na sua sede para o discurso de vitória. Rui Rio E Paulo Rangel mereceram forte censura do candidato independente que teve o apoio do CDS. "Não posso deixar de dizer que nos grandes derrotados desta noite há três rostos: António Tavares, Rui Rio e Paulo Rangel. Por terem utilizado o Porto para território de disputas nacionais", disse, para acrescentar que as autárquicas no Porto "não são as primárias secretas do PSD". Considerou ainda que Álvaro Almeida "foi abandonado".

O PS também não escapou. Apesar de deixar "um abraço amigo" a Manuel Pizarro, acusou o socialista de "tentar, numa primeira fase, condicionar, o movimento". Porque "o apoio tinha um preço demasiado alto" e, depois, com a "participação inusitada de membros do governo na campanha".

Para os seus apoiantes e para os portuenses, Rui Moreira, que ainda não sabe se terá maioria absoluta, prometeu a aposta na Cultura, na afirmação da cidade, e na coesão social. Para terminar o discurso, citou Francisco Sá Carneiro: "O Porto sempre mostrou que a defesa da liberdade não é uma palavra vã."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...