Rui Moreira admite taxa turística no Porto

Presidente da autarquia encara medida como forma de proteger património da cidade

O presidente da Câmara do Porto admitiu hoje introduzir taxas turísticas no concelho para "atenuar a pegada turística na cidade" ou para comprar imóveis que a Câmara "não quer que sejam destinados ao turismo".

"Acho que a taxa, a ser criada, devia ser usada para atenuar a pegada turística na cidade ou adquirir edifícios que a Câmara pretende que não sejam destinados ao turismo", afirmou Rui Moreira, na reunião camarária pública de hoje.

Para o autarca, esta questão "deve ter um grande consenso" e deve ter em consideração "o que se passou em Lisboa" ou em outros locais onde a taxa é aplicada.

O assunto foi abordado na sessão camarária de hoje a propósito da verba destinada ao turismo na Primeira Revisão Orçamental e às Grandes Opções do Plano para 2016, hoje aprovada e que faz o orçamento municipal subir para 267,4 milhões de euros.

Já em janeiro, Moreira tinha garantido que os hotéis que estão a surgir no Centro Histórico não afetam a classificação como Património da Humanidade.

"Relativamente ao Património da Humanidade, não vemos que haja risco, ou que esse risco possa resultar da reabilitação de edifícios para fins de hotelaria", afirmou.

Na altura, o autarca notou que o risco que existe é o da gentrificação [valorização imobiliária acompanhada da deslocação de residentes com menor poder económico] e a Câmara "tem vindo a tomar medidas para a evitar", designadamente deixando de vender casas camarárias no centro histórico.

Em novembro de 2014, Moreira disse que a eventual introdução de taxas turísticas exige "prudência infinita" e uma avaliação macroeconómica, "para não matar a galinha dos ovos de ouro".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.