Rui Machete apoia Santana Lopes à liderança do PSD

A notícia foi dada esta noite por Marques Mendes, no seu habitual comentário na SIC. Sobre o relatório de Pedrógão, Mendes diz que é uma ajuda ao MP para fazer uma acusação de homicídio por negligência

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, será o presidente da Comissão de Honra de Santana Lopes, cuja candidatura à liderança do PSD será oficialmente apresentada no próximo sábado, fora de Lisboa, revelou esta noite na SIC, Marques Mendes. Machete é um dos fundadores do PSD e ocupou cargos ministeriais em vários governos, o último dos quais ministro dos Negócios Estrangeiros na legislatura de Passos Coelho. Numa das últimas declarações públicas, uma entrevista à Rádio Renascença, em 2016, lançou algumas críticas à gestão política do seu partido. "Não é preciso grandes discursos, mas as pessoas têm de saber que há alternativas. Muitas vezes dá a sensação que se tem um certo mutismo", afirmou.

Marques Mendes elogiou o "talento fora do vulgar" de Santana. "Ainda sem ter apresentado a sua candidatura formalmente esteve durante uma semana seguida na liderança mediática, a ser notícia, a antecipar-se, a distribuir charme e simpatia, a marcar a agenda. É obra", salientou o comentador. Quanto a Rui Rio considera que "no essencialmente cumpriu", na apresentação da sua candidatura, apesar de "muito prejudicada pelo dia, da divulgação da acusação a Sócrates". Mendes não arrisca um vencedor, sublinhando que "vão ser eleições muito disputadas".

Relatório ajuda MP a acusar por homicídio por negligência

Marques Mendes deixou também a sua interpretação sobre o recente relatório da comissão técnica independente sobre os incêndios de Pedrógão. Destaca "quatro importantes responsabilidades": a sistémica, com as críticas dos peritos ao modelo existente, que separa prevenção de combate e que é "um arraso ao modelo criado em 2005 por António Costa, então ministro da Administração Interna"; a operacional, com o "amadorismo, inexperiência, comando caótico, negligência" e que é um "xeque-mate à Proteção Civil e uma ajuda ao Ministério Público para fazer uma acusação de homicídio por negligência"; a política, uma vez que "o governo falhou em toda a linha", no modelo, nas pessoas que escolheu, nas nomeações fora de tempo. "Em boa verdade, se tivesse um mínimo de princípios, depois deste relatório, a MAI pedia para sair e colocava o seu lugar à disposição, mas isso não vai suceder, pois o primeiro-ministro só quer ler uma das partes do relatório, das recomendações, e finge que não lê o resto"; a responsabilidade civil: depois deste relatório não há qualquer dúvida que o Estado falhou e não há qualquer razão para que o governo não acione já o processo de atribuição de indemnizações aos familiares das vítimas de Pedrógão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.