Roteiro tech de Costa rende 50 milhões de investimento 

Primeiro-ministro visitou Cisco e Google antes de ver a Amyris garantir 50 milhões para biotecnologia em parceria com a UCP

Das empresas que Costa visitou na California, foi a de nome menos sonante que acabou por dar mais nas vistas: a Amyris, que atua na área das ciências da vida, anunciou um investimento de 50 milhões de euros numa parceria com a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa no Porto e a AICEP, agência de promoção do comércio externo. O projeto tem, nas palavras da empresa, duplo objetivo: explorar formas de usar desperdício resultante da fermentação para novos produtos e aplicações e desenvolver a plataforma de inteligência artificial.

Ainda antes deste anúncio, o chefe de governo visitara a Cisco, uma das líderes mundiais em Tecnologias de Informação. Com uma faturação superior a 40 mil milhões/ano (cerca de 20% do PIB português), a empresa tem 400 centros de negócio em todo o planeta. O que leva Costa a destacar duas áreas fundamentais da parceria com a empresa: "desenvolvimento das zonas de wifi livre, porque isso ajuda a modernizar o país", e "cibersegurança, porque garantir a segurança ajuda a modernizar e a reforçar a intensidade do país". Ambas representam "oportunidades de negócio para a Cisco", sublinhou.

A multinacional sediada em San Jose, que emprega 71 mil pessoas, incluindo 400 em Portugal (centros de Braga e de Oeiras), e que atua sobretudo em cibersegurança, tem já uma relação com o Estado, tendo dado apoio na área do e-government, desenvolvendo soluções no Simplex+ (programa de desburocratização e simplificação da relação com cidadãos) e na mobilidade, no programa Indústria 4.0 e no apoio à capacitação digital e ao ecossistema de empreendedorismo e inovação.

"Continuamos a crescer em Portugal", garantiu o vice-presidente da companhia, Mark Chandler, relatando o investimento que começou há mais de 20 anos. "Os centros que temos mostram que Portugal tem todas as condições para continuar a ser líder em várias áreas, incluindo a cibersegurança."

O dia prosseguiu com um encontro vedado à imprensa com Condoleeza Rice, antiga secretária de Estado e atual membro do think tank Hoover Institution, seguido de uma reunião com líderes de fundos de investimento.

Apelos à participação cívica

Costa chegou à California vindo diretamente de Boston, para um jantar com a comunidade luso-americana de Santa Clara. No Santa Clara Convention Center, e perante uma assistência de centenas de pessoas, sublinhou que "a California alberga a maior comunidade portuguesa residente nos EUA; são 355 mil portugueses e luso-descendentes, muitos vindos dos Açores". O estado norte-americano é um dos que tem presença portuguesa mais antiga, que data do século XIX.

E perante uma plateia representativa dos 1,3 milhões de luso-descendentes a viver nos EUA, o primeiro-ministro apelou à participação cívica e política da comunidade, recordando que "foi recentemente aprovada uma nova lei que facilita a aquisição de nacionalidade pelos netos de portugueses, de modo a prolongar os vínculos geracionais - o que é particularmente importante em comunidades tão antigas como esta." António Costa realçou ainda a "recente introdução do recenseamento automático" - qualquer titular do cartão de cidadão fica "habilitado a participar não só na vida política nos EUA mas também nas eleições para o Parlamento e a Presidência da República em Portugal".

O dia acabou com a condecoração, em nome do PR, do congressista federal republicano David Valadão, do pintor Mel Ramos e da funcionária consular Júlia Fu Chim.

Enviado aos Estados Unidos

Relacionadas

Brand Story

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub