Rocha Andrade disponível para esclarecer transferências para paraísos fiscais 

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais mostrou-se disponível para ir à Assembleia da República prestar esclarecimentos

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, manifestou-se hoje disponível para ir ao parlamento prestar esclarecimentos sobre fuga de capitais para paraísos fiscais, caso o órgão confirme "essa convocatória".

"Se o parlamento confirmar essa convocatória lá estarei para esclarecer todas as questões da informação de que disponho, sobre a situação que existia e sobre as decisões que este Governo foi tomando", afirmou o governante à margem do primeiro balanço Simplex+ 2016, quando questionado pelos jornalistas sobre a "fuga de dez mil milhões de euros" para paraísos fiscais.

PSD, PCP e Bloco de Esquerda (BE) pediram a audição parlamentar de Rocha Andrade e do ex-secretário do Estado Paulo Núncio para prestar esclarecimentos sobre as transferências de capitais para 'offshore' (paraísos fiscais), enquanto o PS quer ouvir só o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Instado a confirmar o valor de dez mil milhões de euros, Rocha Andrade declinou fazer comentários: "Não quero neste momento fazer outras considerações relativamente a essa matéria" que, "além disso, deve ser esclarecida com alguma serenidade e não assim nestas circunstâncias".

O jornal Público noticiou na terça-feira que quase dez mil milhões de euros em transferências realizadas entre 2011 e 2014 para contas sediadas em paraísos fiscais não foram nesse período alvo de qualquer tratamento por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira, embora tenham sido comunicadas pelos bancos à administração fiscal, como a lei obriga.

Citado pelo Público, o Ministério das Finanças confirmou que as "omissões" foram detetadas quando, entre finais de 2015 e o início de 2016, foi "retomado o trabalho de análise estatística e divulgação" dos valores das transferências para os centros 'offshore' e os chamados "territórios com tributação privilegiada".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.