Rio tem de acelerar os acordos de regime

Antigo líder aconselha o novo presidente do PSD a ser rápido na criação de uma alternativa e a fazer política a falar para as pessoas. Marques Mendes considerou uma imprudência e uma má escolha Elina Fraga para a direção do partido.

No dia em que Rui Rio tomou posse como presidente do partido um dos que o antecederam no cargo dá-lhe algumas dicas para o sucesso político. Para Marques Mendes se o novo líder social-democrata quer fazer acordos de regime com o governo "que os faça já", porque quanto mais próximo das eleições pior.

No seu espaço de opinião na SIC, o antigo líder do PSD e conselheiro de Estado considerou também que Rio precisa de "acelerar" a criação de uma alternativa, quando falta pouco tempo para preparar as eleições legislativas, "Não pode repetir o que fez agora - estar um mês parado e calado. Isso pode ser fatal", assegurou.

Marques Mendes aconselha ainda o presidente social-democrata a evitar ser um político de "ideias gerais" e a falar para as pessoas: os jovens, os idosos, a classe média, os trabalhadores, os empresários.

Para o comentador político o congresso que terminou este fim de semana não oficializou apenas a mudança de líder, mas é também uma mudança de ciclo no PSD. Na sua perspetiva muda o estilo, já que Rio assumiu a postura de candidato a primeiro-ministro; muda o posicionamento do partido, porque ao invés de estar acantonado à direita vira ao centro, fica mais social-democrata e com mais preocupação social; muda o discurso, que passa de estar demasiado centrado na economia para temas mais abrangentes (natalidade, segurança social, descentralização, saúde); e muda o modo de fazer oposição, que deixa de ser só contestação e passa também a ser abertura ao diálogo e aos acordos de regime.

Quanto à direção do PSD, Mendes considerou que Rio foi além das expectativas e que os nomes bons que escolheu não são novos - David Justino, Morais Sarmento, Castro Almeida) e o que é novo não é bom. Classificou a escolha de Elina Fraga, ex-bastonária da Ordem dos Advogados, para a direção nacional como uma "imprudência" que só poderá dar dores de cabeça ao líder. Não tanto pelo facto de ter sido bastonária e de ter estado contra o governo anterior, mas sobretudo pelo facto da escolha representar "uma cedência ao populismo".

Mendes analisou também o que vai mudar nos outros partidos com a liderança de Rio. Ao CDS vê a tentar "invadir" o mesmo espaço político. Já ao PCP e ao BE vão ficar "incomodados" com os acordos que Rio faça com António Costa e vão demarcar-se em várias matérias. E o PS não prevê que vá criticar muito o novo líder do PSD. "Precisa dele para acordos de regime e pode precisar dele a seguir às eleições de 2019, se não tiver maioria e uma geringonça falhar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.