Rio quer acordo alargado na saúde e penalização fiscal para alimentos nocivos

"O PSD está mais do que disponível para colaborar com agentes do setor e com outros partidos para uma reforma na área da saúde", afirma Rui Rio

O presidente do PSD, Rui Rio, manifestou hoje disponibilidade para um acordo alargado sobre a saúde, com todos os partidos e agentes do setor, e defendeu a penalização fiscal de produtos nocivos, como o sal e açúcar.

"O PSD está mais do que disponível para colaborar com agentes do setor e com outros partidos para uma reforma na área da saúde, que leve a que os cidadãos passem a ter o acesso à saúde que a Constituição impõe", defendeu o líder social-democrata, em declarações aos jornalistas à saída da Convenção Nacional da Saúde, que decorre em Lisboa.

Se o sal faz mal, se o açúcar faz mal, faz todo o sentido que a política fiscal penalize aquilo que faz mal e faça exatamente ao contrário em relação às carências alimentares que existem nas sociedades modernas

Quer na intervenção que fez na Culturgest, quer depois à comunicação social, Rui Rio manifestou-se ainda favorável a que o Ministério da Saúde se centre mais na prevenção do que no tratamento da doença, o que pode passar pela alimentação.

"Se o sal faz mal, se o açúcar faz mal, faz todo o sentido que a política fiscal penalize aquilo que faz mal e faça exatamente ao contrário em relação às carências alimentares que existem nas sociedades modernas", defendeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.