Rio e Negrão ultrapassam divergências ao almoço

Presidente do PSD e líder parlamentar do partido discutem esta segunda-feira uma melhor articulação entre deputados e direção do partido, após crise sobre adicional do imposto sobre combustíveis.

Num almoço privado, no Porto, Rui Rui e Fernando Negrão vão limar arestas para que não se voltem a repetir episódios de descoordenação entre a direção do PSD e a da bancada parlamentar.

Este encontro foi marcado depois do líder do partido ter dado um valente puxão de orelhas aos deputados após terem votado a favor do projeto de lei do CDS que visa a eliminação do ISP (imposto sobre produtos petrolíferos). Voto contestado por Rio, por entender que o partido não se podia associar a um projeto que viola a lei travão da Constituição, que impede a diminuição da receita do Estado.

Fontes da direção do PSD garantiram ao DN que as "divergências" estão já ultrapassadas e que o almoço visa sobretudo melhorar a articulação entre o partido e a bancada parlamentar. As mesmas fontes sublinharam que Rui Rio já está convicto que não houve intenção por parte dos deputados e em particular, do presidente do bancada parlamentar, de afrontar a direção do partido ao ter votado ao lado do projeto do CDS.

Um membro da direção da bancada social-democrata também garantiu ao DN que se gerou uma confusão desnecessária sobre esta matéria, visto que o PSD negociou o voto no projeto do CDS para ver aprovada a sua proposta de resolução sobre a mesma matéria. Uma proposta que não é vinculativa e instava o governo a devolver o ISP na mesma proporção da subida da receita do IVA, tal como foi prometido.

"Aprovamos o projeto do CDS; mas logo na altura dissemos que era para passar na generalidade e na especialidade iríamos proceder a alterações para que não se verificasse quebra de receita para o Estado", afirmou a mesma fonte parlamentar.

Segundo fonte da direção do grupo parlamentar do PSD, Fernando Negrão entendeu que o projeto de resolução do PSD e a aprovação na generalidade do projeto de lei do CDS eram compatíveis e não terá discutido ao pormenor com Rui Rio esta questão. Tanto mais que o PSD já tinha aprovado quatro vezes o mesmo projeto de lei centrista, que só passou ao crivo parlamentar à quinta vez.

Existe a convicção na bancada do PSD que a tomada de posição pública do líder do partido contra a decisão da bancada "foi uma forma que Rui Rio encontrou de melhor organizar as relações dele com a liderança parlamentar".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.