Rio e Negrão ultrapassam divergências ao almoço

Presidente do PSD e líder parlamentar do partido discutem esta segunda-feira uma melhor articulação entre deputados e direção do partido, após crise sobre adicional do imposto sobre combustíveis.

Num almoço privado, no Porto, Rui Rui e Fernando Negrão vão limar arestas para que não se voltem a repetir episódios de descoordenação entre a direção do PSD e a da bancada parlamentar.

Este encontro foi marcado depois do líder do partido ter dado um valente puxão de orelhas aos deputados após terem votado a favor do projeto de lei do CDS que visa a eliminação do ISP (imposto sobre produtos petrolíferos). Voto contestado por Rio, por entender que o partido não se podia associar a um projeto que viola a lei travão da Constituição, que impede a diminuição da receita do Estado.

Fontes da direção do PSD garantiram ao DN que as "divergências" estão já ultrapassadas e que o almoço visa sobretudo melhorar a articulação entre o partido e a bancada parlamentar. As mesmas fontes sublinharam que Rui Rio já está convicto que não houve intenção por parte dos deputados e em particular, do presidente do bancada parlamentar, de afrontar a direção do partido ao ter votado ao lado do projeto do CDS.

Um membro da direção da bancada social-democrata também garantiu ao DN que se gerou uma confusão desnecessária sobre esta matéria, visto que o PSD negociou o voto no projeto do CDS para ver aprovada a sua proposta de resolução sobre a mesma matéria. Uma proposta que não é vinculativa e instava o governo a devolver o ISP na mesma proporção da subida da receita do IVA, tal como foi prometido.

"Aprovamos o projeto do CDS; mas logo na altura dissemos que era para passar na generalidade e na especialidade iríamos proceder a alterações para que não se verificasse quebra de receita para o Estado", afirmou a mesma fonte parlamentar.

Segundo fonte da direção do grupo parlamentar do PSD, Fernando Negrão entendeu que o projeto de resolução do PSD e a aprovação na generalidade do projeto de lei do CDS eram compatíveis e não terá discutido ao pormenor com Rui Rio esta questão. Tanto mais que o PSD já tinha aprovado quatro vezes o mesmo projeto de lei centrista, que só passou ao crivo parlamentar à quinta vez.

Existe a convicção na bancada do PSD que a tomada de posição pública do líder do partido contra a decisão da bancada "foi uma forma que Rui Rio encontrou de melhor organizar as relações dele com a liderança parlamentar".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.