Rio de Onor já só tem uma jovem

Viagem do DN ao interior de Portugal passou por uma das Aldeias Maravilha de Portugal, a do distrito de Bragança. A única jovem da terra deu a todos razões de orgulho este verão.

Desligados os holofotes que puseram Rio de Onor, concelho de Bragança, nas notícias, por ser uma das sete Aldeias Maravilha de Portugal, o sossego regressou ao povoado, com pouco mais de 30 habitantes, vizinho da aldeia espanhola com o mesmo nome - e onde supostamente os modos de vida seriam comunitários, no forno do pão, no tratamento dos animais, na limpeza dos açudes.

O comunitarismo, porém, já era. Cada um já tem o seu forno, a agricultura é de subsistência, já não há gado e está fechada a "Casa do Touro", onde se guardava o boi cobridor (no domingo reabrirá servindo de mesa de voto). Como diz um morador ao DN: "Isso do comunitarismo é uma treta. Se nos juntamos é para beber uns copos." A economia vive agora muito do turismo, graças a um parque de campismo inaugurado em 2003 pelo então secretário de Estado da Administração Local Miguel Relvas.

Foi-se instalando também uma pequena indústria de reabilitação de casas antigas - veem-se obras em várias. Uma natural da terra, Maria José, de 53 anos, emigrou em 1985 para a Suíça. E lá casou com um operário suíço, Jurg Baldesberger. Regressaram há uns anos e Baldesberger tem um negócio de recuperação de casas na aldeia, mantendo as traças originais, de madeira nos interiores e paredes de xisto. Recuperam-se casas para vender a estrangeiros. Uma é de suíços, outra de alemães, mais uma de holandeses.

Em Rio de Onor já só sobra uma jovem - tudo o resto são adultos ou idosos reformados. Sílvia Prieto, de 21 anos, licenciada em Veterinária, em Espanha, tomava ontem conta do café dos seus pais, o Trilho, e não tinha refeições para servir porque os proprietários foram para a vindima. Conversava ao balcão com o espanhol Juan Fernandes, um aposentado de 70 anos, em tempos proprietário de empresas de decoração de interior.

A veterinária, por ora, não lhe dá emprego. Fala um português completamente espanholado e neste verão orgulhou a sua terra sendo eleita Miss Bragança e depois Miss Norte. Até podia ter prosseguido o caminho candidatando-se a Miss Portugal. "Mas não tinha ajudas", recuou, serve agora no estabelecimento dos pais, procurando oportunidades na veterinária. Há dias tornou-se a última jovem da aldeia; o outro, um rapaz de 18 anos, foi embora, estudar para fora.

O problema, explica Fernandes, é que as ditaduras dos dois países, a de Salazar e a de Franco, "foram muito diferentes". Enquanto a de Franco industrializou, a de Salazar não. "Em Portugal as pessoas emigraram para o estrangeiro mas em Espanha não, só migraram para as grandes cidades." A "diáspora" espanhola está mais perto das suas terras de origem e isso permite que o lado espanhol sobreviva melhor. Mas na verdade nada separa as duas aldeias exceto uma placa. "Mentalmente somos um só povo."

Notas de Viagem

Dia 9

2267 quilómetros

Esta é a distância percorrida desde que esta viagem se iniciou, na segunda-feira da semana passada, dia 18. Fizeram-se ontem 202 quilómetros, de Bragança a Rio de Onor, com passagem no regresso por Gimonde e seguindo depois para Vila Real, pela tranquila A4.

E quem te paga a ovelha?"

Rio de Onor fica abrangida pelo Parque Natural do Montesinho e voltámos a ouvir as queixas habituais. Faz-se, por exemplo, a preservação dos lobos. "Os lobos matam-te a ovelha? E depois quem te paga a ovelha?", pergunta, indignado, o espanhol Juan Fernandes (ler texto principal). O problema maior, acrescenta, são os javalis: "São o veneno deste povo!", porque entram pelas hortas e comem as batatas. Já os gamos parecem preferir alfaces.

Mapa político de Bragança

Rio de Onor fica no concelho de Bragança. A câmara é PSD, que recandidata Hernâni Dias. O PS, segunda maior força, avança com Carlos Guerra. Em 2013, os sociais-democratas venceram com 47%, obtendo quatro dos sete mandatos executivos. O PS ficou com dois e uma lista independente com um. Em cerca de 36 mil inscritos, votaram vinte mil (54% de participação).

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.