Rio contra a isenção total de IVA para os partidos

Candidato à liderança do PSD criticou a forma "um bocado às escondidas" como decorreu o processo legislativo das novas regras de financiamento partidário

Rui Rio é contra a isenção do IVA para todas as atividades dos partidos políticos, como previsto nas novas regras de financiamento partidário aprovadas pelo Parlamento. Falando em Leiria, o candidato à liderança dos sociais-democratas criticou ainda a forma como este processo decorreu.

Para Rio, a isenção do IVA só deveria ser possível para as "tarefas estritamente políticas dos partidos". E deu um exemplo: "Um partido não pode ter um bar a vender as suas cervejas e não pagar IVA por isso. Não faz sentido."

Para o antigo presidente da Câmara do Porto, o processo legislativo relativamente a esta matéria decorreu, "à pressa e um bocado às escondidas".

Um partido não pode ter um bar a vender as suas cervejas e não pagar IVA por isso. Não faz sentido

O candidato falava na sede da Associação Empresarial de Leiria, momentos antes de se iniciar a sessão de apresentação da sua moção de estratégia global para o seu partido, intitulada "Do PSD para o país".

Rio criticou a "forma" como o processo legislativo foi conduzido mas garantiu que "renuncia a qualquer discurso demagógico sobre esta matéria", não alinhando na prática "fácil" de atacar os partidos.

Para o candidato, os legisladores fizeram bem em manter os limites máximos dos donativos individuais, porque se os tivessem eliminado poder-se-ia criar uma situação em que um partido se tornaria "muito dependente de dois ou três doares".

No seu entender, "não foi das [ideias] mais graves" deste processo a eliminação do teto global para os donativos privados mas seria "melhor" que esse limite existisse. "É melhor ter do que não ter", disse.

Escusando-se a fazer qualquer apelo ao Presidente da República - "o Presidente fará o que entender" -, Rui Rio desvalorizou também o facto de não ter sido ouvido previamente pela direção do PSD e do seu grupo parlamentar nesta matéria: "O PSD tem um líder que está na plenitude das suas funções."

O candidato recusou também dizer o que fará com esta lei se for eleito líder do PSD. Insistindo nas críticas à "forma" como o processo legislativo foi conduzido, disse apenas ser preferível "transparência" e tentar envolver "toda a sociedade" num "grande debate" sobre o assunto.

Também esta quarta-feira, e perante a polémica que a lei está a levantar - sobretudo por causa das alterações relativas à devolução do IVA aos partidos e do fim do teto máximo dos donativos - Marcelo Rebelo de Sousa publicou uma nota oficial no site da Presidência em dá nota de ter recebido o referido diploma no final da semana passada e lembra que primeiro-ministro e deputados podem pedir fiscalização preventiva da lei ao Tribunal Constitucional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.