Ricardo Sá Fernandes junta-se à luta dos Lesados de Medina

Queixas dos vencedores do leilão de arrendamento anulado em Lisboa já começaram a chegar à Provedoria de Justiça. O advogado Ricardo Sá Fernandes promete recorrer da decisão da autarquia liderada por Fernando Medina

Ficaram sem casa mas não desistem de bater a todas as portas. Os vencedores do leilão de arrendamento que a Câmara de Lisboa anulou em abril têm agora um aliado de peso na luta que travam contra a autarquia: Ricardo Sá Fernandes é o advogado de uma das vencedoras do concurso e está a trabalhar juntamente com o representante de outra das lesadas.

O DN/Dinheiro Vivo sabe que os advogados apresentaram ontem uma objeção à anulação do concurso. Comunicaram à câmara que caso esta vá mesmo em frente com a intenção de reverter o resultado do leilão, os lesados vão interpor recurso da decisão na justiça e reclamar indemnizações devido aos danos patrimoniais e morais que o processo causou aos oito vencedores.

A resposta de Ricardo Sá Fernandes surge na sequência de uma carta que a Lisboa Ocidental SRU, a empresa municipal que promoveu o leilão, enviou aos vencedores do concurso anulado no passado dia 11 de junho. A empresa, que vai passar a ser liderada pelo vereador do Urbanismo Manuel Salgado, deu dez dias úteis aos candidatos para contraporem a decisão.

O DN/Dinheiro Vivo não conseguiu chegar à fala com Sá Fernandes. O advogado é irmão do atual vereador da Estrutura Verde e da Energia da Câmara de Lisboa, José Sá Fernandes.

Mas a luta dos lesados contra a autarquia já conta com várias frentes. Além da resposta à carta da SRU, os vencedores do leilão já começaram a fazer chegar queixas ao Provedor de Justiça. A ação surge na sequência de um ultimato que os queixosos fizeram à câmara a 11 de junho, no qual exigiam uma "resposta séria" da autarquia nos 15 dias seguintes, antes de tomarem medidas na justiça.

Na altura, os vencedores do leilão que a Câmara Municipal de Lisboa anulou por "não cumprir os princípios da renda acessível" uniram-se para criar a Associação de Lesados de Medina. Na carta que entregaram nos Paços do Concelho admitiam "estudar e abraçar todas as formas de luta que se entenda como adequadas, desde logo com recurso à justiça, para garantir o cumprimento efetivo de todos os direitos de ressarcimento de todos os prejuízos que foram e continuam a ser causados".

Além de contestarem a anulação do processo, os lesados dizem-se injustiçados pela atribuição de casas do concurso a três das oito famílias que venceram o leilão. Num despacho sem data assinado por Manuel Salgado, a câmara considerou que os três vencedores estavam em situação de "perda iminente de habitação" e que por isso têm direito às casas que licitaram por uma "renda mínima", que varia entre os 350 e os 500 euros.

Rendas pouco acessíveis

Em abril, o concurso foi anulado porque as rendas das propostas vencedoras oscilavam entre os 600 e os 900 euros. O regulamento ditava que o critério de seleção era o da renda mais alta.

Os Lesados de Medina pediam então a todos os 120 participantes do concurso para se juntarem à causa, para que a associação tivesse "mais peso". Ao que o DN/Dinheiro Vivo apurou, cerca de 20 destes candidatos já entraram em contacto com os responsáveis da associação que, para já, é apenas um movimento de cidadãos e ainda está a estudar quais os próximos passos a seguir neste processo.

Mas as ações contra a autarquia liderada por Fernando Medina ainda não ficam por aqui. Alguns dos lesados apresentaram queixa na Comissão Nacional de Proteção de Dados, por violação de privacidade e abuso de dados pessoais. Em causa está o relatório final do leilão da SRU, no qual a câmara explica todo o processo que culminou com a anulação do leilão.

Nesse documento, elaborado após os lesados terem participado em reuniões individuais na autarquia, consta a descrição da situação pessoal e familiar de cada um. Foram enviadas cópias do relatório para os vereadores da CML e para cada um dos oito vencedores do leilão, que agora querem ver a câmara redimir-se da forma como tem conduzido todo este processo.

A anulação do concurso já levou a que toda a administração da Lisboa Ocidental SRU, cuja presidente estava no cargo há mais de dez anos, fosse substituída por representantes da câmara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)