Ribeiro e Castro acusa governo anterior de ter mentido sobre feriados

Ex-presidente do CDS diz que suspensão dos feriados foi mantida sem justificação credível

O ex-presidente do CDS-PP José Ribeiro e Castro fez hoje um discurso duro contra o anterior Governo, acusando-o de ter mentido e tentado eliminar a celebração de quatro feriados nacionais, entre os quais o 1.º de Dezembro.

"Está conseguido, restaurou-se a celebração da restauração da independência" no 1.º de Dezembro de 1640, declarou Ribeiro e Castro, numa intervenção em que elogiou o atual primeiro-ministro, António Costa, durante a cerimónia de referenda da lei que restabelece os quatro feriados suspensos em 2012, dois civis (o 5 de Outubro e 1.º de Dezembro) e dois religiosos (Corpo de Deus e Dia de Todos os Santos).

Perante a presença do duque de Bragança, Duarte Pio, Ribeiro e Castro, coordenador do Movimento do 1.º de Dezembro de 1640, criticou as bancadas do PSD e do CDS-PP, considerou que a suspensão dos feriados permaneceu até agora sem justificação credível por parte das forças da anterior maioria e equiparou a medida tomada pelo executivo de Pedro Passos Coelho "ao dia de trabalho nacional" imposto pelo antigo primeiro-ministro Vasco Gonçalves, em 1975, durante o PREC (Processo Revolucionário em Curso).

"Pretendeu-se pintar a decisão como sendo apenas uma suspensão, mas foi uma tentativa de eliminação dos quatro feriados nacionais. A história da suspensão é mentira e é lamentável que se insista nela", declarou o ex-deputado do CDS-PP, dizendo mesmo que a versão inicial do diploma do anterior executivo, de 2012, "foi ao ponto de violar o acordo do Estado Português com a Santa Sé".

"O que a lei estabeleceu foi o apagamento puro e simples daqueles quatro feriados, incluindo o mais alto de todos os feriados nacionais, o 1.º de Dezembro. Nunca nos disseram porquê e para quê. Foi legislar à paulada, com algumas vozes a procurarem empurrar a responsabilidade para a 'troika' (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional), que aqui não meteu prego nem estopa", advogou o ex-líder democrata-cristão.

Na presença de António Costa e dos ministros da Defesa (Azeredo Lopes) e da Cultura (João Soares), Ribeiro e Castro apontou depois a "ironia" de os quatro feriados, dois deles religiosos, para além do 1.º de Dezembro, terem sido repostos por um executivo que se assume fiel à tradição republicana e socialista.

"Não deixa de ser uma ironia que o 1.º de Dezembro de 1640, alcunhado de feriado monárquico e de direita, seja restaurado por políticos de esquerda e republicanos, e tenha tentado ser liquidado por dirigentes de direita, alguns dos quais exibindo panache monárquica", afirmou, numa alusão crítica a dirigentes do seu partido.

Ribeiro e Castro citou mesmo o antigo chefe de Estado da I República, Teófilo Braga: "É preciso conhecer a verdade da História para se poder falar nela e não declamar superficialidades disparatadas", disse.

Na primeira intervenção da sessão, o presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, José Alarcão Troni, considerou que os quatro feriados repostos "são elementos estruturantes da identidade da nação", incluindo os dois religiosos.

"Na verdade, o Estado é laico, mas a nação é católica", sustentou Alarcão Troni antes de ressalvar que a República é o "regime legítimo" de Portugal "há 115 anos - regime consagrado pelas três constituições do século XX".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.