Retomadas buscas para encontrar pastor de 90 anos desaparecido em São Romão

No local estão 21 elementos dos Bombeiros Voluntários de São Romão, Seia, e da GNR, com nove veículos

As autoridades retomaram pelas 06:00 desta quarta-feira as buscas pelo pastor de 90 anos que está desaparecido em São Romão, no concelho de Seia, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda.

Segundo a fonte, as buscas, que estão a ser realizadas por elementos dos bombeiros e da GNR, iniciadas pelas 22:00 de terça-feira, foram suspensas pelas 03:00 e retomadas às 06:00 desta quarta-feira.

Participam nas operações 21 elementos dos Bombeiros Voluntários de São Romão, Seia, e da GNR, com nove veículos, indicou o CDOS da Guarda pelas 08:30.

"Recebemos a informação de que um homem com 90 anos está desaparecido. O homem é pastor, saiu com o gado de manhã e devia voltar cerca das 19:00, o que não aconteceu, com a família a alertar as autoridades", disse à Lusa fonte do CDOS, cerca das 00:30.

Segundo a mesma fonte, o homem é descrito como sendo "saudável e autónomo", não apresentando nenhum antecedente de doença.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.