Resultados na Holanda são "boa notícia" para Portugal, diz Marcelo

Presidente da República afirma que "continua a mesma linha europeia, a mesma linha moderada"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que os resultados eleitorais na Holanda, onde foi reeleito o primeiro-ministro, são uma "boa notícia" para a Europa e para Portugal.

"Aparentemente não há alteração no Governo. Continua a mesma linha europeia, a mesma linha moderada", afirmou à margem da entrega dos prémios da Sociedade Portuguesa de Autores, em declarações transmitidas hoje pela rádio TSF, salientando que a "escolha do povo holandês" é "uma boa notícia para os parceiros como Portugal", "para todos os que defendem uma Europa moderada, unida, coesa, forte".

De acordo com as sondagens à boca das urnas conhecidas esta quarta-feira à noite, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, foi reeleito para um terceiro mandato, com 31 dos 150 lugares no parlamento.

Geert Wilders, líder do Partido da Liberdade (PVV, extrema-direita) não deverá ultrapassar os 19 assentos (15 na anterior legislatura), tantos quanto os democratas-cristãos e o partido Democracia D66.

Esta quinta-feira, Rutte deverá iniciar negociações, que se antecipam longas, com outros partidos para formar Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.