Restos mortais do cabo Aquilino chegam a Portugal 56 anos depois

Em 1961, Aquilino Gonçalves morreu numa missão em Angola. 56 anos depois, a cerimónia fúnebre com os restos mortais do militar realiza-se em Portugal

Quase 60 anos depois de chegar a Angola, como militar, os restos mortais do cabo Aquilino Silva Gonçalves partiram esta quinta-feira do cemitério do Sassa, província do Bengo, onde permaneciam desde outubro de 1961, iniciando finalmente o regresso a Portugal.

A exumação dos restos mortais deste antigo cabo do Exército português, do Batalhão de Artilharia 147, foi concluída esta quinta-feira, conforme a Lusa constatou no cemitério abandonado nos arredores da cidade do Caxito, a mais de 60 quilómetros de Luanda.

Os restos mortais deverão chegar sábado ao aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, seguindo-se as cerimónias fúnebres, 56 anos depois da morte de Aquilino Gonçalves, que fazia parte de uma família de 11 irmãos e que completaria os 78 anos em 2018

No terreno, debaixo de calor tórrido, elementos da funerária, do Serviço de Investigação Criminal, do serviço de Saúde Pública local e da administração municipal do Caxito levaram três horas para concretizar a vontade antiga da irmã do militar, em Portugal.

Às 15:00, já lacrada e devidamente preparada, a urna deixava o cemitério, no carro funerário, com todas as autorizações legais para o efeito.

Os restos mortais deverão chegar sábado ao aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, seguindo-se as cerimónias fúnebres, 56 anos depois da morte de Aquilino Gonçalves, que fazia parte de uma família de 11 irmãos e que completaria os 78 anos em 2018.

Será sepultado no cemitério de Ponte de São Vicente, no concelho de Vila Verde (distrito de Braga), a sua terra natal, conforme o desejo da irmã, Otília Gonçalves, que durante décadas tentou o regresso dos restos mortais de Aquilino.

O processo do cabo Aquilino Gonçalves foi fechado num tempo recorde de quatro meses, o segundo conduzido por Carlos Rosa, um emigrante português que vive em Angola desde 2009

Para trás fica um cemitério abandonado, ocupado por capim (erva) com mais de um metro de altura e onde permanecem os restos mortais de mais duas dezenas de outros militares portugueses, todos do início dos anos 1960.

O processo do cabo Aquilino Gonçalves foi fechado num tempo recorde de quatro meses, o segundo conduzido por Carlos Rosa, um emigrante português que vive em Angola desde 2009, onde trabalha numa construtora, e que, nos últimos seis anos, também se tem dedicado a seguir o rasto de ex-militares cujos restos mortais nunca chegaram a ser recuperados pelas famílias, em Portugal.

Carlos Rosa explicou à Lusa que foi a "mágoa" que sentiu nos comentários de Otília Gonçalves nas redes sociais, sobre a situação do irmão, que morreu num acidente de viação em Angola, onde estava destacado como militar, no período que eclodiu a guerra colonial, que o levou a envolver-se no segundo processo de trasladação.

Mais um herói que ficou para trás e que agora, esperemos, chegue ao seu destino final e que descanse em paz

"Entrei em contacto com a senhora e prontifiquei-me a ajudar. E foi assim que começou este processo", recordou à Lusa, numa visita ao cemitério do Sassa, tomado pelo abandono.

"Mais um herói que ficou para trás e que agora, esperemos, chegue ao seu destino final e que descanse em paz", desabafa este português, que tomou em mãos o processo de apoiar estas famílias na identificação dos cemitérios, recolha de documentação e, por último, da trasladação, junto da funerária local.

"Veio cá cumprir uma missão, mas infelizmente morreu nessa missão, terá que voltar para a sua casa", conta Carlos Rosa, ele próprio um ex-militar, hoje com 49 anos, que funciona como "elo de ligação" entre Portugal e Angola.

O Estado é que tem de resolver isto, com acordos com Angola, que é um país aberto, também. O Estado português é que tem a obrigação de tratar deste problema, nem é o Estado angolano

Carlos afirma que tem ajudado a resolver aquela que é uma "obrigação" do Estado português, para com os militares que ficaram em Angola, tombados na guerra colonial: "O Estado português vai ter de explicar aos portugueses o porquê desta situação".

A campa de Aquilino Gonçalves foi descoberta em 2005, no cemitério do Sassa, ano a partir do qual a irmã do militar começou a desenvolver diligências no sentido de repatriar o corpo, junto da Liga dos Combatentes e do Estado português,

Sempre sem consequências, até que Carlos Rosa decidiu ajudar: "O Estado é que tem de resolver isto, com acordos com Angola, que é um país aberto, também. O Estado português é que tem a obrigação de tratar deste problema, nem é o Estado angolano".

O primeiro caso, que, a partir de Luanda, Carlos Rosa ajudou a resolver, foi concluído em dezembro de 2017, com a chegada a Portugal, ao concelho de Tondela (distrito de Viseu), dos restos mortais do soldado paraquedista António da Conceição Lopes da Silva, morto em combate em Angola em 1963.

O processo de trasladação de Aquilino Silva Gonçalves custa cerca de oito mil euros, reunidos em parte com donativos, 6.500 dos quais para o Estado angolano e cerca de 1.500 euros para uma funerária, sem qualquer apoio do Estado português

"Sinto-me em paz, sinto que foi a minha última missão e orgulhoso por ter ajudado mais alguém", contou ainda à Lusa, embora angustiado ao saber que vários outros militares, só naquele cemitério, não tiveram o mesmo destino.

O processo de trasladação de Aquilino Silva Gonçalves custa cerca de oito mil euros, reunidos em parte com donativos, 6.500 dos quais para o Estado angolano e cerca de 1.500 euros para uma funerária, sem qualquer apoio do Estado português, segundo a família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.