Estações vazias, comboios parados e passageiros descontentes

Paralisação provocou o cancelamento de quase 100% das ligações suburbanas em Lisboa

Estações quase vazias, comboios suprimidos e passageiros descontentes era o cenário da manhã desta segunda-feira nas estações de Sete Rios e Santa Apolónia, em Lisboa, devido à greve dos trabalhadores do setor ferroviário.

Nas duas estações, o cenário era idêntico: placards com informação sobre comboios suprimidos e alteração de horários, mensagens sonoras de pedidos de desculpa e informações.

Alguns passageiros desconheciam a existência da greve e foram apanhados desprevenidos, outros, apesar de saberem, arriscaram na esperança de "conseguirem um comboio".

Na estação de Sete Rios, cerca das 08:30, António Pedro, que precisava de ir até à estação do Oriente, disse à Lusa ter sido apanhado desprevenido com a greve.

"Estou aqui desde a 07:36. Se soubesse vinha de carro. Cheguei aqui e fiquei surpreendido (...) Vou aguardar e depois tentar arranjar um transporte alternativo para a Gare do Oriente", disse.

Por sua vez, Maria Santos, que estava desde as 07:00 na estação de Sete Rios, com o intuito de ir para a Castanheira do Ribatejo, no concelho de Vila Franca de Xira, disse à Lusa que tinha conhecimento da greve, mas arriscou porque pensava que havia "pelo menos um comboio".

Em Santa Apolónia, Cléber Gontijo contava à Lusa que cerca das 10:30 pretendia ir com a família a Fátima e tinha sido apanhado desprevenido pela greve.

"Fomos informados que teríamos de deslocar-nos à rodoviária para apanhar um autocarro", disse.

Também em Santa Apolónia, Luís Bravo, do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI), disse à Lusa que a adesão à greve estava a ser, cerca das 10:30, elevada.

"Há uma adesão massiva à greve. Os trabalhadores da área comercial estavam [a aderir] a 100% quer na bilheteira, quer da revisão e chefias diretas. Teremos alguns comboios a circular com dois maquinistas que estão a sofrer grandes pressões para violar a lei da greve. Por isso, quero fazer um agradecimento público aos maquinistas que não cederam às pressões", disse.

Os sindicatos consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária -- trabalhadores, utentes e mercadorias"

De acordo com Luís Bravo, a taxa é enorme em todo o país, havendo 85% de comboios parados.

"Na Linha de Cascais temos 100%, Sintra 98% e no resto do país da ordem dos 90/95%", disse.

Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo estão hoje em greve contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente.

Os sindicatos consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária -- trabalhadores, utentes e mercadorias", e defendem, por isso, que "é preciso que não subsistam dúvidas no Regulamento Geral de Segurança (RGS)".

No domingo, o Governo disse que a greve na CP "não tem justificação material" e explica que os sindicatos marcaram a paralisação contra um regulamento que existe desde 1999, que nunca foi alterado e nem vai ser.

Em declarações à Lusa esta segunda-feira, Luís Bravo disse não entender as declarações do secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d´Oliveira Martins.

Os dados recolhidos pela CP indicavam que entre as 00:00 e as 08:00 a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%)

"Não entendemos as declarações do secretário de Estado ao dizer que o regulamento é de 1999 quando não quis [colocar] no papel preto no branco no regulamento que fez publicar a 30 de abril que irá definir as regras de segurança ferroviárias (...)", disse.

Contudo, Luís Bravo salientou que os trabalhadores continuam dispostos a dialogar e pediu desculpa aos utentes que hoje foram afetados pela paralisação.

Os dados recolhidos pela CP indicavam que entre as 00:00 e as 08:00 a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)