Estações vazias, comboios parados e passageiros descontentes

Paralisação provocou o cancelamento de quase 100% das ligações suburbanas em Lisboa

Estações quase vazias, comboios suprimidos e passageiros descontentes era o cenário da manhã desta segunda-feira nas estações de Sete Rios e Santa Apolónia, em Lisboa, devido à greve dos trabalhadores do setor ferroviário.

Nas duas estações, o cenário era idêntico: placards com informação sobre comboios suprimidos e alteração de horários, mensagens sonoras de pedidos de desculpa e informações.

Alguns passageiros desconheciam a existência da greve e foram apanhados desprevenidos, outros, apesar de saberem, arriscaram na esperança de "conseguirem um comboio".

Na estação de Sete Rios, cerca das 08:30, António Pedro, que precisava de ir até à estação do Oriente, disse à Lusa ter sido apanhado desprevenido com a greve.

"Estou aqui desde a 07:36. Se soubesse vinha de carro. Cheguei aqui e fiquei surpreendido (...) Vou aguardar e depois tentar arranjar um transporte alternativo para a Gare do Oriente", disse.

Por sua vez, Maria Santos, que estava desde as 07:00 na estação de Sete Rios, com o intuito de ir para a Castanheira do Ribatejo, no concelho de Vila Franca de Xira, disse à Lusa que tinha conhecimento da greve, mas arriscou porque pensava que havia "pelo menos um comboio".

Em Santa Apolónia, Cléber Gontijo contava à Lusa que cerca das 10:30 pretendia ir com a família a Fátima e tinha sido apanhado desprevenido pela greve.

"Fomos informados que teríamos de deslocar-nos à rodoviária para apanhar um autocarro", disse.

Também em Santa Apolónia, Luís Bravo, do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI), disse à Lusa que a adesão à greve estava a ser, cerca das 10:30, elevada.

"Há uma adesão massiva à greve. Os trabalhadores da área comercial estavam [a aderir] a 100% quer na bilheteira, quer da revisão e chefias diretas. Teremos alguns comboios a circular com dois maquinistas que estão a sofrer grandes pressões para violar a lei da greve. Por isso, quero fazer um agradecimento público aos maquinistas que não cederam às pressões", disse.

Os sindicatos consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária -- trabalhadores, utentes e mercadorias"

De acordo com Luís Bravo, a taxa é enorme em todo o país, havendo 85% de comboios parados.

"Na Linha de Cascais temos 100%, Sintra 98% e no resto do país da ordem dos 90/95%", disse.

Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo estão hoje em greve contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente.

Os sindicatos consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária -- trabalhadores, utentes e mercadorias", e defendem, por isso, que "é preciso que não subsistam dúvidas no Regulamento Geral de Segurança (RGS)".

No domingo, o Governo disse que a greve na CP "não tem justificação material" e explica que os sindicatos marcaram a paralisação contra um regulamento que existe desde 1999, que nunca foi alterado e nem vai ser.

Em declarações à Lusa esta segunda-feira, Luís Bravo disse não entender as declarações do secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d´Oliveira Martins.

Os dados recolhidos pela CP indicavam que entre as 00:00 e as 08:00 a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%)

"Não entendemos as declarações do secretário de Estado ao dizer que o regulamento é de 1999 quando não quis [colocar] no papel preto no branco no regulamento que fez publicar a 30 de abril que irá definir as regras de segurança ferroviárias (...)", disse.

Contudo, Luís Bravo salientou que os trabalhadores continuam dispostos a dialogar e pediu desculpa aos utentes que hoje foram afetados pela paralisação.

Os dados recolhidos pela CP indicavam que entre as 00:00 e as 08:00 a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%).

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.