"Nós fazíamos força para dentro e as portas não abriam"

Testemunhas contam como tentaram resgatar vítimas de Vila Nova da Rainha. Oito pessoas morreram e há 38 feridos

As consequências do incêndio que na noite de sábado matou pelo menos oito pessoas na associação recreativa de Vila Nova da Rainha, Tondela, dominam, na manhã de hoje, as conversas de várias pessoas concentradas no local.

Junto ao edifício de dois andares - cujo andar superior, onde terá começado o incêndio, está totalmente calcinado - concentram-se várias pessoas, a maioria habitantes da povoação, na qual se incluem algumas que se encontravam nas instalações aquando do sinistro que, para além das vítimas mortais, provocou várias dezenas de feridos, entre graves e ligeiros.

Eduardo Antunes pertence à direção da associação recreativa e, na noite de sábado, quando ali decorria um torneio de cartas, estava de serviço ao bar, no piso térreo, no momento em que foi alertado por gritos de uma mulher a pedir às pessoas que fugissem, face ao incêndio.

"Eu não me apercebi do incêndio, uma rapariga começou a gritar 'fujam, fujam' e eu saí por aquela porta de lá", disse o morador à Lusa, apontando para um dos topos do prédio, oposto à porta onde acabaram por se concentrar a maioria das vítimas, que tentavam sair.

Quando Eduardo Antunes chegou à rua, "já havia labaredas a sair ali pela janela [do primeiro andar] e tentou, com outras pessoas, abrir a porta, que "abria para dentro".

"Mas não havia hipótese, porque as pessoas estavam caídas da parte de dentro. Nós fazíamos força para dentro e as portas não abriam", explicou,

De acordo com o morador, "estava mesmo muita gente" no edifício aquando do incêndio, já que ali decorria um torneio de cartas "que tem muito impacto aqui na nossa aldeia, participam pessoas de várias freguesias, até dizem que é um dos torneios mais bem organizados do distrito de Viseu", alegou.

Eduardo Antunes frisou ainda que quatro mortos são de Vila Nova da Rainha - três homens e uma mulher, o mais novo com 56 anos e os restantes na casa dos 60 anos - e os restantes quatro de fora da povoação que fica localizada num vale, no sul do concelho de Tondela e que sofreu com os incêndios de 15 de outubro, cujos prejuízos ainda permanecem visíveis nos quintais e terrenos em redor.

"Isto foi tragédia em cima de tragédia, foi tudo seguido. Não há explicação, parasse que estamos a caminhar para o fim do mundo", ilustrou.

Outro morador, que não quis ser identificado, recordou os momentos seguintes à deflagração das chamas, afirmando que as vítimas "precipitaram-se escadas abaixo" em direção à saída e várias acabaram por cair.

"Puxámos alguns que estavam por cima, por baixo não conseguimos puxar ninguém", lamentou.

Já Júlio Dias disse que o edifício possuía duas salamandras, uma no rés-do-chão e outra no andar superior, e que um "excesso de temperatura" nesta última "que inflamou o teto" terá estado na origem das chamas.

No edifício, que fica numa rua da povoação entre dois largos, são visíveis vidros partidos e o interior calcinado no piso superior, onde subsistem vários troféus enegrecidos colocados junto a duas janelas.

No local, na noite de sábado, estiveram pelo menos 173 operacionais, apoiados por 67 veículos e dois meios aéreos (um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica e outro da Força Aérea) que transportaram os feridos para os hospitais.

Entretanto, a GNR vedou hoje de manhã a rua junto ao edifício, na qual a movimentação de pessoas tem vindo a aumentar, com um crescente número de populares e autoridades, nomeadamente elementos da Polícia Judiciária.

Marcelo: "tudo funcionou"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já esteve no local este domingo, acompanhado pelo ministro da Administração Interna.

O Presidente lembrou a resistência das gentes de Tondela, que em outubro tiveram de enfrentar a vaga de incêndios no país, e revelou que, segundo o presidente da câmara de Tondela, o que aconteceu foi tudo "muito rápido", mas que a associação recreativa tinha em dia todas as licenças.

A propósito da porta que não se abriu para deixar que as pessoas do piso de cima, onde terá começado o incêndio, saíssem do edifício, o presidente chegou a dizer que, de acordo com as informações que lhe foram transmitidas, ao lado da porta que não se abria havia outra, que "abria para fora. Mas, em pânico, as pessoas escolheram aquela". "Tudo funcionou" no socorro, garantiu Marcelo, que agradeceu às instituições envolvidas.

Oito mortos e 38 feridos

Pelo menos 38 pessoas ficaram feridas no incêndio de sábado numa associação recreativa em Tondela, que provocou a morte a oito pessoas, segundo dados do Ministério da Saúde.

No local foram triadas 46 vítimas dos incêndios, sendo que oito delas foram vítimas mortais.

Segundo dados transmitidos à agência Lusa por fonte oficial do Ministério da Saúde, dos 38 feridos, nove já tiveram alta hospitalar.

Treze dos feridos do incêndio estão internados no hospital de Viseu, dois deles em cuidados intensivos, segundo o presidente da administração Centro Hospitalar Tondela -- Viseu, Cílio Correia.

Houve ainda 16 feridos que foram enviados para outras unidades hospitalares: cinco para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, para o Porto foram três feridos para o hospital São João, dois para o Santo António e um para a Prelada - este com "prognóstico reservado", enquanto para Lisboa foram encaminhados dois para o Santa Maria, dois para o São Francisco Xavier e um menor para o Dona Estefânia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)