Remodelação do governo feita em circuito fechado

Costa resolve crise governamental recorrendo a velhos amigos dos tempos da faculdade. Eduardo Cabrita passa a ministro da Administração Interna e Pedro Siza Vieira a ministro adjunto

Em tempos foram todos amigos na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. E hoje continuam todos amigos: António Costa, Eduardo Cabrita, Pedro Siza Vieira - e outros, como o advogado Jorge Gonçalves (vogal do Conselho Superior da Magistratura eleito pelo Parlamento por indicação do PS), Jorge Oliveira (até julho secretário de Estado da Internacionalização, forçado a demitir-se por causa do GalpGate) e ainda o famoso Diogo Lacerda Machado, o advogado que aconselhou Costa , durante algum tempo pro bono, em dossiês quentes como o da reversão do processo de privatização da TAP ou dos lesados do BES.

Foi dentro deste grupo que ontem o primeiro-ministro resolveu a crise suscitada pela demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa. Para o Ministério da Administração Interna (MAI), António Costa deslocou Eduardo Cabrita, até agora ministro adjunto (com a tutela da importante pasta da descentralização administrativa, que para o chefe do governo é a "pedra angular" da reforma do Estado).

Para substituir Cabrita no cargo de ministro adjunto, o primeiro--ministro mobilizou Pedro Siza Vieira, 52 anos, advogado na poderosa Linklaters, a sociedade que fez há semanas para o governo um parecer sobre a responsabilização do SIRESP no caso dos incêndios de Pedrógão. Segundo o Expresso, foi justamente por indicação de António Costa que Cabrita, Siza Vieira, Lacerda Machado e Jorge Oliveira rumaram no final dos anos 1980 até Macau, convidados pelo advogado Manuel Magalhães e Silva (patrono de Costa na advocacia), quando este formou o seu gabinete de secretário adjunto da Administração e Justiça.

Atualmente, Siza Vieira integrava, por nomeação governamental, a Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresa. Colaborou também com o governo na reforma da supervisão financeira e integrou um grupo de estudo do problema do crédito malparado na banca nacional.

A tomada de posse ocorrerá no próximo sábado, pelas 9.00, no Palácio de Belém. Ou seja, Cabrita e Siza Vieira já poderão participar depois no Conselho de Ministros que vai discutir a transformação em leis das recomendações da comissão técnica independente que investigou o incêndio de Pedrógão.

Dos secretários de Estado não se sabe nada. Com a demissão de Constança Urbano de Sousa do MAI, ficaram automaticamente em situação demissionária Jorge Gomes (Administração Interna) e Isabel Oneto (secretária de Estado adjunta) - e os três têm lugares de deputado à espera, se o quiserem assumir. Pelo menos no caso de Jorge Gomes é muito difícil a sua recondução. Isto devido ao elevado grau de exposição nociva a que se sujeitou por causa dos incêndios. "Têm de ser as próprias comunidades a ser proativas e não ficarmos todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e que apareçam os aviões para nos resolver o problema", disse no último domingo à noite quando já se temia que estivesse a caminho uma espécie de Pedrógão 2 (ontem, à hora do fecho desta edição, o número oficial de mortos ascendia a 42). Falta também perceber se Pedro Siza Vieira, enquanto novo ministro adjunto, reconduzirá os secretários de Estado que trabalhavam para Cabrita: Carlos Miguel (Autarquias Locais) e Catarina Marcelino (Cidadania e Igualdade). E ainda como será remodelada a orgânica governamental de forma a acolher a nova prioridade à reforma conjugada da floresta e da Proteção Civil.

Demissão com estrondo

Constança Urbano de Sousa assinou a sua carta de demissão com a data de anteontem - dia da mensagem em que o Presidente da República muito explicitamente lhe exigiu a cabeça.

Na missiva, divulgada no site do governo, revelou que depois de Pedrógão (17 de junho) ficou no governo contrariada, apenas por pressão do primeiro-ministro: "Logo a seguir à tragédia de Pedrógão pedi, insistentemente, que me libertasse das minhas funções e dei-lhe tempo para encontrar quem me substituísse, razão pela qual não pedi, formal e publicamente, a minha demissão. Fi-lo por uma questão de lealdade."

Num outro parágrafo sugere a ideia de que agora decidiu irrevogavelmente afastar-se ("apresento-lhe agora o meu pedido de demissão, que tem de aceitar, até para preservar a minha dignidade pessoal") não por causa do discurso do PR mas sim por vontade própria e antes dessa intervenção: "Durante a tragédia deste fim de semana voltei a solicitar que, logo após o seu período crítico, aceitasse a minha cessação de funções, pois, apesar de esta tragédia ser fruto de múltiplos fatores, considerei que não tinha condições políticas e pessoais para continuar no exercício deste cargo, muito embora contasse com a sua confiança."

Neste sábado, o seu gabinete no MAI passará a ser ocupado por Eduardo Cabrita. Deslocado de ministro adjunto para ministro da Administração Interna, Cabrita deslocar-se-á também geograficamente em Lisboa, da Gomes Teixeira para o Terreiro do Paço. Ficará assim a trabalhar a escassas centenas de metros da sua mulher, Ana Paula Vitorino, ministra do Mar.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.