Religiões têm o direito e o dever de se pronunciar, diz patriarca

Cardeal patriarca de Lisboa pede às comunidades religiosas que se posicionem sobre esta matéria e aos deputados que tenham em conta as posições das igrejas e de outras comunidades científicas

O cardeal patriarca de Lisboa defendeu esta tarde na Academia das Ciências de Lisboa que a eutanásia é "uma temática humana", como tal todas as confissões religiosas devem posicionar-se sobre o assunto, lançando também um apelo aos deputados da Assembleia da República, para que antes de votarem no dia 29 os projetos de lei que estão em cima da mesa sobre a morte assistida, tenham em conta a posição das igrejas e de outras entidades cientificas, como do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e da Ordem dos Médicos.

O patriarca, que falava aos jornalistas à margem da conferência "Cuidar até ao fim com compaixão", organizada pelo Grupo de Trabalho Inter-Religioso para as questões da saúde, que integra as oito comunidades religiosas representadas em Portugal, referiu que se vive um momento histórico, ou melhor, "um momento significativo", pelo que iniciativas como esta que levaram à assinatura de uma declaração conjunta contra a eutanásia "é de louvar". "Saúdo esta iniciativa porque todos nós nos encontrámos no essencial", disse, e quando, sublinhou, "se fala de vida há muito a fazer".

D. Manuel Clemente alertava para o facto de que a vida, à luz das religiões, "é uma convivência, e sendo uma convivência quer viver." Por isso, argumentou, que "a sociedade como um todo tem que acautelar a vida quando esta está em perigo." O patriarca na conversa com os jornalistas defendeu ainda "ser muito importante que as pessoas que querem acompanhar os seus doentes em final de vida o possam fazer", numa alusão à importância de uma rede eficaz e de acesso universal aos cuidados paliativos. Ideia, aliás, que anteriormente tinha sido defendida por outros oradores durante a sessão que reuniu católicos, judeus, ortodoxos, muçulmanos, hindus, budistas, evangélicos e adventistas à mesma mesa e na assinatura de uma declaração contra a eutanásia em qualquer uma das suas formas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.