Relatório do SIRESP diz que rede "esteve à altura" e não houve falhas

Relatório foi divulgado esta terça-feira no portal do Governo

O relatório do desempenho do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal), que tinha sido solicitado pelo Governo na sequência das falhas relatadas durante o incêndio de Pedrógão Grande, que fez 64 mortos, foi esta terça-feira disponibilizado no portal do Executivo.

No documento, a SIRESP SA, que gere a rede de comunicações de emergência do Estado, garante que "não houve interrupção no funcionamento da rede" e que o serviço esteve "à altura da complexidade do teatro de operações".

O relatório mostra o desempenho do SIRESP entre 17 e 22 de junho e indica que, das 16 estações base que cobrem a zona do fogo, cinco entraram "em modo local em virtude da destruição pelo incêndio dos cabos de fibra ótica e outras da rede de telecomunicações que asseguram contratualmente a interligação ao resto da rede".

"Embora em modo de serviço local, cada estação base garante a comunicação entre os operacionais no terreno na respetiva área de cobertura, sendo esta uma característica da tecnologia TETRA", refere o relatório.

Sublinha também que, além do funcionamento em modo local, a tecnologia TETRA permite que "os operacionais comuniquem diretamente entre si no designado modo diretor (walkie-talkie)" e, mesmo em situações extremas como a que se verificou em Pedrógão Grande, "fica demonstrado que a rede SIRESP funcionou de acordo com a arquitetura que foi desenhada para esta rede".

No capítulo dedicado às "conclusões e recomendações", o relatório refere que "não houve interrupção no funcionamento da rede SIRESP, nem houve nenhuma estação base que tenha ficado fora de serviço em consequência do incêndio".

Realizaram-se, segundo o documento, "mais de 100 mil chamadas processadas no período crítico, das 19:00, de dia 17, às 09:00, de dia 18, através de 1092 terminais". "Estes números demonstram que o desempenho da rede SIRESP correspondeu e esteve à altura da complexidade do teatro das operações, assegurando as comunicações e a interoperabilidade das forças de emergência e segurança", escreve-se.

O relatório continua, revelando que foram registadas "situações de saturação de rede, embora, durante o dia 17, primeiro dia do incêndio, estas não tenham sido significativas, particularmente até às 23:00. A saturação da rede não foi originada por nenhuma falha da rede, mas foi originada por uma procura de tráfego superior à capacidade disponível".

O SIRESP realça também que, apesar da entrada em modo local de cinco estações, o número médio de chamadas aumentou.

O relatório destaca que a entrada das cinco estações em modo local, tal como previsto pela tecnologia TETRA, e a posterior entrada em serviço de uma das estações móveis, "assegurou o funcionamento da rede até à reposição da infraestrutura de telecomunicações".

Esta informação vem contradizer o documento da Autoridade Nacional da Proteção Civil que foi enviado ao primeiro-ministro no passado dia 23 de junho e é esta terça-feira citado em vários órgãos de comunicação. O registo do Sistema de Apoio à Decisão Operacional - a chamada "caixa negra" da Proteção Civil - mostra que vários pedidos de ajuda de populares não chegaram ao posto de comando por falhas nas comunicações.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.