Relação de Lisboa recusa libertar Vale e Azevedo

O recurso do ex-presidente do Benfica foi indeferido, e não lhe será concedida a liberdade condicional.

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) indeferiu um recurso do ex-presidente do Benfica Vale e Azevedo, em que este pedia a liberdade condicional, disse hoje à agência Lusa fonte do TRL.

A mesma fonte adiantou que, por decisão dos juízes desembargadores Agostinho Torres (relator) e João Carrola, foi "julgado improcedente" o recurso relativo ao pedido de liberdade condicional.

Vale e Azevedo está a cumprir pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra, ao abrigo da extradição para Portugal, no âmbito do cúmulo jurídico de 11 anos e meio, fixado com as condenações nos processos Ovchinnikov, Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes de burla, entre outros ilícitos de natureza económica e financeira.

O ex-presidente do Benfica chegou a Lisboa a 12 de novembro de 2012 após as autoridades britânicas terem permitido a sua extradição, aceitando o mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias portuguesas.

A advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, disse à Lusa que ainda não foi notificada da decisão da Relação.

Luísa Cruz esclareceu contudo que o recurso interposto pelo ex-presidente do Benfica se prendia com a decisão do Tribunal de Execução de Penas, de julho, que não recusou a liberdade condicional a Vale e Azevedo por este alegadamente não ter feito a "interiorização da culpa".

A advogada revelou estar ainda pendente, naRelação de Lisboa, um outro recurso de Vale e Azevedo relacionado com um processo do Benfica que envolveu a transferência de futebolistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.