Reitor da Universidade Fernando Pessoa condenado por desvio de dinheiro

Salvato Trigo terá organizado esquemas para a saída de elevadas quantias monetárias da fundação que detém a instituição de ensino superior

O reitor da Universidade Fernando Pessoa, Salvato Trigo, que estava acusado de ter desviado dinheiro da instituição em benefício próprio e da sua família, foi esta sexta-feira condenado a uma pena suspensa de um ano e três meses de prisão.

O tribunal, no juízo local criminal do Porto, deu como provado que o reitor cometeu um crime de infidelidade por ter, alegadamente, desviado verbas daquela instituição de ensino privado em benefício próprio e da sua família.

O julgamento de Salvato Trigo, único arguido no processo, arrancou em outubro de 2017 no Tribunal Judicial da Comarca do Porto e decorreu à porta fechada, a pedido do arguido.

Durante o julgamento, e segundo o que foi referido esta sexta-feira pelo juiz na leitura da sentença, foram inquiridas técnicos oficiais de contas e professores da Universidade Fernando Pessoa.

De acordo com a acusação, o reitor terá montado vários esquemas para fazer sair elevadas quantias da fundação que detém a universidade.

O dinheiro seria, depois, canalizado para uma empresa cujos sócios são a mulher e os dois filhos.

No final dos anos 90, Salvato Trigo foi condenado a dez meses de prisão, suspensos na sua execução, num processo que envolvia o desvio de subsídios do Fundo Social Europeu, quando era diretor da Escola Superior de Jornalismo do Porto.

A 29 de janeiro deste ano, o reitor enviou uma mensagem por correio eletrónico aos professores, alunos e funcionários daquela universidade a informar que era "falso" ter desviado fundos ou cometido qualquer outro crime.

"Completamente falso que eu tenha alguma vez desviado fundos ou cometido qualquer outro crime, e disso tem estado a ser feita prova documental e testemunhal no julgamento a decorrer", lê-se no e-mail a que a Lusa teve acesso.

Na mensagem, Salvato Trigo lamentou que o Ministério Público tenha acreditado em denúncias de um ex-técnico Oficial de Contas (TOC).

"Infelizmente, o Ministério Público acreditou nas denúncias inteiramente falsas do ex-TOC da Fundação [Fernando Pessoa], que por ter sido demitido por mim com toda a justificação, resolveu vingar-se e pôr em causa a minha administração da Fundação que ele, aliás, como membro também do seu Conselho Fiscal, sempre aprovou com louvores exarados em livro de atas", relatava.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.