Reitor da Universidade Fernando Pessoa condenado por desvio de dinheiro

Salvato Trigo terá organizado esquemas para a saída de elevadas quantias monetárias da fundação que detém a instituição de ensino superior

O reitor da Universidade Fernando Pessoa, Salvato Trigo, que estava acusado de ter desviado dinheiro da instituição em benefício próprio e da sua família, foi esta sexta-feira condenado a uma pena suspensa de um ano e três meses de prisão.

O tribunal, no juízo local criminal do Porto, deu como provado que o reitor cometeu um crime de infidelidade por ter, alegadamente, desviado verbas daquela instituição de ensino privado em benefício próprio e da sua família.

O julgamento de Salvato Trigo, único arguido no processo, arrancou em outubro de 2017 no Tribunal Judicial da Comarca do Porto e decorreu à porta fechada, a pedido do arguido.

Durante o julgamento, e segundo o que foi referido esta sexta-feira pelo juiz na leitura da sentença, foram inquiridas técnicos oficiais de contas e professores da Universidade Fernando Pessoa.

De acordo com a acusação, o reitor terá montado vários esquemas para fazer sair elevadas quantias da fundação que detém a universidade.

O dinheiro seria, depois, canalizado para uma empresa cujos sócios são a mulher e os dois filhos.

No final dos anos 90, Salvato Trigo foi condenado a dez meses de prisão, suspensos na sua execução, num processo que envolvia o desvio de subsídios do Fundo Social Europeu, quando era diretor da Escola Superior de Jornalismo do Porto.

A 29 de janeiro deste ano, o reitor enviou uma mensagem por correio eletrónico aos professores, alunos e funcionários daquela universidade a informar que era "falso" ter desviado fundos ou cometido qualquer outro crime.

"Completamente falso que eu tenha alguma vez desviado fundos ou cometido qualquer outro crime, e disso tem estado a ser feita prova documental e testemunhal no julgamento a decorrer", lê-se no e-mail a que a Lusa teve acesso.

Na mensagem, Salvato Trigo lamentou que o Ministério Público tenha acreditado em denúncias de um ex-técnico Oficial de Contas (TOC).

"Infelizmente, o Ministério Público acreditou nas denúncias inteiramente falsas do ex-TOC da Fundação [Fernando Pessoa], que por ter sido demitido por mim com toda a justificação, resolveu vingar-se e pôr em causa a minha administração da Fundação que ele, aliás, como membro também do seu Conselho Fiscal, sempre aprovou com louvores exarados em livro de atas", relatava.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.