Reis dos Belgas fazem visita oficial a Portugal em outubro

Monarcas virão a Lisboa e Porto

Os Reis dos Belgas realizam uma visita oficial a Portugal em outubro próximo, anunciaram hoje em Bruxelas os ministros dos Negócios Estrangeiros belga e português, que discutiram o reforço da cooperação bilateral entre os dois países.

Numa conferência de imprensa, integralmente em francês, no Palácio de Egmont, após uma reunião de trabalho no quadro de uma visita bilateral de Augusto Santos Silva à Bélgica, o seu homólogo belga, Didier Reynders começou por anunciar a deslocação do Rei Filipe e Rainha Matilde a Portugal.

"Preparamos uma visita de Estado do Rei e da Rainha a Portugal, a Lisboa durante dois dias e ao Porto durante um dia, de 22 a 24 de outubro. É sempre um momento importante nas relações bilaterais e uma oportunidade de as reforçar", declarou o chefe de diplomacia belga.

Sublinhando as "excelentes relações políticas, institucionais e culturais entre Bélgica e Portugal", Santos Silva também apontou que já está a ser preparada "a muito importante visita de Estado dos Reis dos Belgas a Portugal, em outubro próximo".

Santos Silva afirmou que Portugal e Bélgica decidiram aprofundar a cooperação bilateral "em três domínios particulares e particularmente importantes", o primeiro dos quais, "evidentemente", a construção europeia, matéria na qual os dois países "partilham o mesmo entusiasmo".

De acordo com o chefe de diplomacia, foram abordadas questões como a preparação do próximo quadro financeiro plurianual da União Europeia, as negociações em torno do 'Brexit' e um novo quadro para as relações futuras entre UE e Reino Unido.

"Trabalhamos muitas vezes na mesma direção nos dossiês europeus", comentou por seu turno Reynders.

Um segundo domínio, apontaram os dois ministros, é "a cooperação com África", em que, realçaram, Portugal e Bélgica partilham os mesmos pontos de vista, designadamente em matéria da necessidade de reforçar as parcerias e defender o Estado de direito.

"É tempo de preparar o pós-Cotonou, é tempo de investir nas relações de parceria, nas relações de natureza económica, que beneficiem ambas as partes", disse Augusto Santos Silva, sublinhando que o facto de Portugal e Bélgica terem ambos ligações históricas muito fortes com África proporciona um espaço propício ao desenvolvimento de relações trilaterais.

"Podemos também reforçar a cooperação trilateral de Bélgica e Portugal e países africanos. Estamos muito presentes na República Democrático do Congo, mas Angola, como país vizinho, tem também um papel importante neste processo", observou o ministro belga.

Por fim, os dois chefes de diplomacia discutiram também as relações com América Latina, onde Portugal tem há muito presença consolidada e a Bélgica "tenta agora estar um pouco mais presente", segundo Reynders.

A concluir, Augusto Santos Silva comentou que "este domínio de relações bilaterais" entre Portugal e Bélgica "é muito importante e não pode ser ignorado pelo facto de ambos pertencerem à UE" e de os ministros se encontrarem em reuniões "se calhar quase a um ritmo semanal", mas no contexto europeu.

À margem do Conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, no qual participou na segunda-feira, Santos Silva manteve diversos encontros no quadro da visita bilateral à Bélgica, incluindo contactos com a comunidade portuguesa no país e com representantes de organizações empresariais e comerciais belgas e portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.