Reis de Espanha recebem um violino em fibra de carbono

Material é usado na aeronáutica e na Fórmula 1

Os reis de Espanha iniciaram hoje o segundo dia da estada em Portugal pelas 10:50, com uma visita ao Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), onde receberam um violino feito em fibra de carbono.

O violino em causa, um produto da IDEIA.M, empresa âncora do UPTEC, é construído "em fibra de carbono, usada na aeronáutica e na Fórmula 1".

Segundo Júlio Martins, da empresa IDEIA.M, "além de um baixo peso", o instrumento musical "tem maior estabilidade".

A fibra de carbono, disse, "mantém o instrumento afinado durante mais tempo".

O UPTEC, que promove a criação de empresas de base tecnológica, científica e criativa, e atrai centros de inovação de empresas nacionais e internacionais, iniciou a sua atividade em 2007, tendo já apoiado desde a sua criação o desenvolvimento de mais de 420 projetos empresariais.

A visita ao UPTEC foi sugerida pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que se congratulou hoje aos jornalistas com a "decisão adequada" do Presidente da República em dar a conhecer aos reis outros locais além de Lisboa.

"A vinda ao Porto é sempre um facto notável", sustentou Moreira.

Sobre este ponto da visita dos reis, o autarca do Porto considerou "importante ligar os centros de investigação e também a UPTEC, por causa das novas empresas e novas oportunidades".

Questionado se este momento é uma tentativa de o Porto cidade da ciência captar novos investimentos, Moreira disse que "sim" e que se for "investimento espanhol será ótimo", tendo salientado as parcerias já existentes.

Filipe VI e Letizia, que na segunda-feira iniciaram no Porto uma visita de Estado de três dias a Portugal, deslocam-se esta tarde para Lisboa, sendo recebidos nos Paços de Concelho da capital.

O primeiro-ministro, António Costa, oferece depois um jantar aos monarcas no Palácio das Necessidades.

Na quarta-feira, os reis de Espanha vão ser recebidos na Assembleia da República, para uma sessão solene realizada a propósito da visita e na qual Filipe VI discursará.

Em democracia, oito chefes de Estado estrangeiros discursaram na Assembleia da República, um dos quais o pai de Filipe VI, o rei Juan Carlos, em 2000.

Os monarcas seguem depois para a residência do embaixador de Espanha em Lisboa, no Palácio de Palhavã, na Praça de Espanha, para uma receção com a comunidade espanhola residente em Portugal.

A visita termina com a deslocação de Filipe VI e Letizia à Fundação Champalimaud.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.