Regulador investiga oferta de taxas moderadoras

O ministro da Saúde pediu à Entidade Reguladora da Saúde (ERS) que analise o anúncio feito pelo grupo privado Sanfil em que este diz que oferece o pagamento das taxas moderadoras e copagamentos das consultas e exames. A campanha foi lançada a 23 de dezembro, a propósitos dos 60 anos do grupo, e vai estar ativa até 31 de março.

"Esta publicidade pode suscitar dúvidas e questões sobre a sua eventual irregularidade ao oferecer/dispensar o pagamento das taxas moderadoras nas consultas e exames, promovendo a indução do consumo", diz a nota interna do ministério a que o DN teve acesso. Face à campanha, aponta o ministério, o utente deixa de suportar qualquer encargo com a taxa moderadora, "sendo a sua prestação de cuidados de saúde paga pelo sistema financiador público que procede ao seu pagamento" e levar a cuidados desnecessários.

A ERS está a investigar a empresa desde dezembro em matérias como convenções, licenciamento e qualidade. Também a Inspeção Geral da saúde abriu uma investigação após a reportagem da SIC sobre alegadas cobranças ilegais à ADSE e ligações com o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...