Regulador europeu tira qualificação a 12 dos 18 inspetores da autoridade para a aviação

Inspetores perderam qualificação devido ao "número significativamente reduzido de inspeções" feitas no último ano a aviões estrangeiros que aterraram em Portugal

O regulador europeu tirou a qualificação a 12 dos 18 inspetores da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) fruto do "número significativamente reduzido de inspeções" a aeronaves estrangeiras que aterraram nos aeroportos portugueses, entre 2015 e 2016.

A decisão consta de um relatório final da EASA (regulador europeu da aviação), enviado em setembro de 2016 à ANAC, a que a agência Lusa teve acesso, sobre uma auditoria efetuada em junho ao programa europeu relativo à realização de inspeções na placa a aeronaves operadas por companhias aéreas de países fora deste programa da União Europeia (UE).

O relatório indica que a ANAC realizou 100 inspeções SAFA (Avaliação de Segurança das Aeronaves Estrangeiras) em 2013, 50 em 2014, 129 em 2015 e, entre janeiro e julho de 2016, fez apenas oito destas inspeções que são aleatórias e que visam fiscalizar a aeronave (cabine de voo, cabine de passageiros, condições da aeronave e carga) quando posicionada na placa de um aeroporto, por norma executadas entre voos.

"Como resultado de um número significativamente reduzido de inspeções efetuadas durante o último ano, 12 dos 18 inspetores perderam a sua qualificação, uma vez que não cumprem os requisitos de experiência recente", refere o relatório final da auditoria da EASA, remetido ao presidente da ANAC, Luís Ribeiro, que tem o pelouro da Direção de Segurança Operacional responsável pela realização das inspeções SAFA.

Confrontada pela Lusa, a ANAC justifica esta redução do número de inspeções SAFA em 2016 com o incremento "em cerca de 280%" do número de inspeções aos operadores de transporte aéreo comercial nacional comparativamente a 2015 (653 face a 218), nomeadamente a certificação inicial de novos operadores.

O regulador europeu da aviação aponta ainda que o sistema global estabelecido pela ANAC, em matéria de inspeções de placa, "não fornece os meios apropriados para assegurar que as aeronaves suspeitas de não cumprimento dos requisitos são sujeitas" a este tipo de inspeção.

A EASA diz que no decorrer da auditoria "se tornou claro" que, durante uma parte significativa de 2015 e até meados de 2016, a preparação, o planeamento, a execução e o seguimento das inspeções SAFA "foram deixados ao critério da disponibilidade dos inspetores" da ANAC.

"Além disso, durante este período, vários operadores incluídos na lista prioritária [companhias aéreas sob vigilância da EASA] não foram inspecionados", salienta o relatório.

O regulador europeu acrescenta ainda que "a maior parte dos procedimentos usados nas inspeções de placa que integraram a amostra analisada" pela auditoria em causa "estão desatualizados ou não integram as corretas referências legais desde a entrada em vigor do regulamento 965/2012 em outubro de 2014".

Segundo a ANAC, o organismo realizou 17 inspeções SAFA em 2016, nove das quais entre agosto e dezembro.

Em resposta escrita enviada à Lusa, a ANAC diz que os inspetores estão atualmente em processo de requalificação enquanto a EASA confirma que está "trabalhar com a ANAC" no sentido de ultrapassar esta questão.

Para a ANAC, a diminuição das inspeções SAFA não representa uma diminuição do nível de segurança na utilização dos aeroportos nacionais, pois cabe aos estados-membros que participam neste programa europeu realizarem "somente inspeções que abrangem itens predefinidos pela regulamentação europeia".

A Lusa questionou ainda sobre a participação do coordenador nacional nas reuniões da EASA sobre este programa nos últimos dois anos, que a ANAC considerou ser "uma competência da própria ANAC", sem revelar o número de reuniões em que esteve presente.

As inspeções SAFA são um dos critérios da Comissão Europeia quando decide incluir companhias na chamada lista 'negra', sendo da competência da ANAC a coordenação do programa em Portugal.

"A informação recolhida durante as inspeções de placa é partilhada com todas as autoridades europeias de segurança de aviação e é vertida na avaliação de segurança dos países terceiros e operadores de países terceiros. As inspeções SAFA são, por exemplo, um dos critérios considerados pela Comissão ao tomar as decisões de incluir as transportadoras na lista de segurança da UE", refere fonte da União Europeia (EU), em resposta escrita enviada à Lusa.

A lista europeia de segurança aérea (também conhecida como 'lista negra') é utilizada para informar os passageiros sobre a segurança das transportadoras aéreas de países terceiros, para proibir ou restringir que aviões destas empresas possam operar no espaço aéreo europeu.

Atualmente há 48 países que aderiram ao Programa de Inspeção de Placa da UE, incluindo Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.