Reformados e pensionistas vão ser representados no CES

Parlamento aprovou proposta de lei do CDS-PP com votos favoráveis do PSD, BE, CDS e PAN

O parlamento aprovou esta sexta-feira um projeto de lei do CDS-PP para que o Conselho Económico e Social (CES) passe a incluir dois representantes dos reformados, aposentados e pensionistas.

A proposta foi aprovada - tal como mais duas propostas centristas, de dez incluídas num pacote para o envelhecimento ativo - com os votos favoráveis do PSD, BE, CDS e PAN e os votos contra do PS, PCP e PEV.

Em declarações aos jornalistas, o deputado e dirigente do CDS Filipe Anacoreta Correia congratulou-se por esta aprovação, que considerou "um grande contributo para a concertação social", mas criticou o chumbo da maioria das propostas, argumentando que "a esquerda revelou uma enorme insensibilidade social".

Foi ainda aprovada uma recomendação ao Governo para que "reveja a legislação de modo a defender os idosos das penalizações e exclusões abusivas que são alvo em função da idade" e uma outra para que o executivo "equipare ao setor público o regime do setor privado, em que é permitido, a quem pretender, continuar a trabalhar depois dos 70 anos".

O primeiro projeto de lei foi aprovado com os votos a favor do PSD, CDS e PAN, a abstenção do PS e do BE e os votos contra do PCP e PEV. O segundo teve os votos favoráveis do PSD, PS e CDS, a abstenção do PAN e os votos contrários de BE, PCP e PEV.

"Medidas de apoio, de incentivo à contratação de desempregados com mais de 55 anos, foi chumbada por esta maioria. Medidas para o voluntariado sénior, para melhorar o apoio domiciliário social, medidas que têm a ver claramente com a melhoria das condições dos idosos, um plano de gestão de carreiras, tudo isto foi chumbado pela esquerda", apontou Filipe Anacoreta.

Para o deputado do CDS-PP, com estas votações, "foi hoje desmascarada a pretensa existência de um monopólio social da esquerda".

"A esquerda revelou aqui uma enorme insensibilidade social em relação a matérias que têm a ver com a melhoria de condições de vida de pessoas do nosso país e estão à parte de quaisquer ideologias", afirmou.

Filipe Anacorta defendeu, por outro lado, ter ficado patente "um grande défice democrático do Governo e dos partidos que o apoiam, porque revelaram muito pouca abertura para trabalhar em soluções ao nível da comissão, apresentando propostas alternativas, melhorando aquilo que o CDS fez".

"Não recebemos nenhuma proposta para melhorar as propostas que tínhamos", disse.

As propostas tinham baixado à comissão sem votação em junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)