Reformados contra redução do desconto do passe

A redução para metade do desconto nos passes sénior de transporte é "inconcebível", frisou à Lusa o presidente da Associação Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Reformados, acrescentando que a diferença "dá para os idosos comerem várias vezes".

"É uma medida drástica. É inconcebível. Como é que é possível, com tanta gente a precisar de ir ao hospital, terem de pagar no mínimo 25 euros pelo passe?", questionou Manuel Jerónimo.

Os passes 4-18, sub 23 e sénior, que beneficiavam de um desconto de 50%, vão passar a ter um desconto de 25% a partir de hoje, no âmbito dos aumentos dos preços dos transportes públicos que o Governo definiu.

Dando o seu exemplo, Manuel Jerónimo afirmou que pagava atualmente 16,45 euros pelo passe, mas que vai começar a pagar, a partir de hoje, cerca de 26 euros.

Também a Associação Sindical União dos Reformados, Pensionistas e Idosos (ASURPI) criticou esta medida do Governo, afirmando que "sempre que há uma medida é para prejudicar os mesmos: os que têm menos possibilidade de se defender".

"É por isso também que os reformados, pensionistas e idosos vão integrar a grande manifestação de 11 de fevereiro", disse à Lusa o presidente, Abílio Jordão.

Quando anunciou os cortes nos descontos, em janeiro, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, disse à Lusa que esta redução se mantém independentemente dos rendimentos e vai vigorar até junho. A partir de julho, o desconto será feito "de acordo com os rendimentos do agregado familiar".

O Governo vai ainda criar um passe que vai permitir a reformados, pensionistas, seniores e crianças viajar nos transportes públicos fora da hora de ponta com um desconto de 25%. Este desconto não depende dos rendimentos e pode ser acumulado com outros benefícios.

Exclusivos