Recolocação de professores não resolve problemas

As escolas voltaram ontem a ter um dia caótico. Algumas ficaram sem professores, outras ganharam novos candidatos. Associação de contratados quer ver publicadas as duas listas de ordenação dos candidatos.

Depois de dez anos como contratado na Madeira, Ricardo Prata, natural de Linda-a-Velha, viu na colocação que lhe foi atribuída no Seixal uma oportunidade para ficar mais perto de casa. As aulas começaram e este professor de Educação Física do 2.º ciclo ficou como diretor de uma turma e até já "tinha tido reuniões com os pais". Depois de três semanas de aulas, a nova lista da Bolsa de Contratação de Escola tirou-lhe o lugar - passou do 6.º lugar na lista para 14.º - entretanto teve de abdicar da vaga na Madeira.

Tal como ele 150 professores ficaram de fora na nova ordenação e ainda não sabem o que lhes vai acontecer. Ao mesmo tempo, as escolas viveram mais um dia de caos. Perderam professores que já estavam a dar aulas, outras dividem os mesmos candidatos, e algumas mantêm vários horários ainda por preencher. Esperam que tudo se resolva durante esta semana.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.