Rebocador de grandes dimensões a caminho para tentar desencalhar navio

Armador decidiu contratar outra empresa de rebocadores, depois de pelo menos três tentativas falhadas para desencalhar o navio.

Um rebocador de grandes dimensões de uma empresa contratada pelo armador do navio que encalhou na terça-feira junto ao Bugio, na foz do Rio Tejo, está a caminho de Lisboa para tentar desencalhar o barco.

Segundo o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, numa reunião na quarta-feira à noite, o armador, de quem é a responsabilidade de remover o barco, decidiu contratar outra empresa de rebocadores, depois de pelo menos três tentativas falhadas para desencalhar o navio.

A mesma fonte disse que o rebocador que está a caminho de Lisboa vem de Gibraltar.

"As manobras foram suspensas e ao final da noite [de quarta-feira] houve uma reunião na sala situação da Capitania do Porto de Lisboa, em que o armador, face ao insucesso das várias tentativas e como é dele a responsabilidade de remoção do navio, decidiu contratar outra empresa de rebocadores e está a dirigir-se para Lisboa um grande rebocador, que vem de Gibraltar", explicou o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional.

Segundo Fernando Pereira da Fonseca, o rebocador de grandes dimensões chegará cerca das 16:00/17:00 de hoje a Lisboa e a intenção é que na primeira maré de sexta-feira, pelas 08:00, se faça uma nova tentativa.

Sobre a agitação marítima, o responsável disse que, por um lado, "pode até ajudar a que o navio desassente", uma vez que se trata de um "rebocador de alto mar, que tem uma capacidade que não tem nenhum dos outros".

"Está igualmente uma equipa da empresa, que é uma empresa holandesa, a voar para Lisboa e deverão ter uma reunião ainda antes da chegada rebocador, para analisarem a situação e tomarem decisões", acrescentou.

De acordo com a Autoridade Marítima, a apresentação do novo plano de desencalhe do navio, de bandeira espanhola, ocorrerá durante a manhã de hoje e envolve o rebocador de grandes dimensões e modos de tração compatíveis com este rebocador para tentar desencalhar o navio.

"A Autoridade Marítima continuará a acompanhar toda a situação, garantindo que todos os procedimentos são feitos em segurança e sem riscos, tanto para as pessoas, como para o meio ambiente, garantindo também a segurança da navegação no local", acrescenta uma informação enviada às redações.

O navio de bandeira espanhola "BETANZOS", com 10 tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de terça-feira, cerca das 01:00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

As tentativas de desencalhe realizadas logo na terça-feira e, depois, na quarta-feira, foram infrutíferas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.